Rádio Observador

Crime

Suspeitas do roubo do relatório médico de Schumacher recaem em empresa suíça

Endereço IP utilizado pelo suposto autor do furto da ficha clínica do antigo piloto alemão Michael Schumacher foi localizado numa sociedade suíça de helicópteros, informou a justiça francesa.

Piloto alemão deixou o hospital de Grenoble e foi transferido para Lausana a 16 junho

DIEGO AZUBEL/EPA

O endereço IP utilizado pelo suposto autor do furto da ficha clínica do antigo piloto alemão Michael Schumacher foi localizado numa sociedade suíça de helicópteros, informou nesta segunda-feira a justiça francesa. Segundo o jornal francês Dauphiné Libéré, esta sociedade do cantão de Zurique foi sondada para assegurar a transferência do sete vezes campeão do Mundo de Fórmula 1 do hospital de Grenoble, em França, para Lausana, na Suíça, e terá recebido uma cópia daquele relatório que posteriormente alguém tentou vender a órgãos de comunicação social.

Schumacher esteve hospitalizado durante cinco messes em Grenoble, depois sofrer uma violento acidente de esqui em dezembro de 2013 em Méribel, nos Alpes franceses. O alemão deixou o hospital de Grenoble e foi transferido para Lausana a 16 junho. A procuradoria de Grenoble indicou que passou a condução do processo para as autoridades suíças. O nome da empresa de helicópteros não foi divulgado, tal como o nome do autor do furto, se é que já foi identificado.

Um inquérito foi desencadeado em França, na Suíça e na Alemanha para identificar quem se apropriou indevidamente do relatório de 11 ou 12 páginas redigido pelo médico que assistiu Schumacher e que deveria ser entregue aos médicos suíços no âmbito da sua transferência para Lausana.

Uma pessoa utilizando o nome “Kagemusha”, em referência a um filme do realizador japonês Akira Kurosawa, contactou vários jornalistas franceses, suíços e alemães para tentar vender o documento por 60 mil francos suíços, cerca de 50 mil euros. Para provar que estava em posse do relatório, fornecia uma parte do mesmo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)