Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não foi um assalto qualquer: a fábrica da Samsung em Campinas, no Brasil, foi invadida e limpa por um grupo profissional na passada madrugada e, segundo o relatório da polícia, o prejuízo foi de 80 milhões de reais (cerca de 27 milhões de euros), no entanto, a Samsung Electronics, em comunicado, avança que o valor dos bens roubados será aproximadamente 14 milhões de reais, pouco mais de quatro milhões e meio de euros. Desapareceram telemóveis, tablets e computadores. No total mais de 40 mil aparelhos.

A imprensa brasileira relata tudo com o detalhe de uma novela: os assaltantes estavam muito bem organizados, dividindo-se em dois grupos. O primeiro fez os funcionários da fábrica reféns, enquanto outro grupo carregou vários camiões com produtos da Samsung. Para entrar na fábrica sem levantar suspeitas, um dos grupos de assaltantes tomou conta de uma carrinha que transportava funcionários para a fábrica. A entrada fez-se sem levantar qualquer suspeita.

Já dentro da fábrica, a quadrilha, com cerca de 20 elementos e armada conseguiu fazer os funcionários reféns, controlar a segurança do local e ordenar que os trabalhadores continuassem a trabalhar como se nada se passasse. Estando já dentro do recinto e tendo a situação controlada, o segundo grupo de assaltantes entrou na fábrica com  7 camiões e começou a carregá-los com materiais da Samsung.

A Samsung Electronics diz que 50 funcionários foram feitos reféns, mas nenhum sofreu danos físicos. Toda esta “operação de roubo” decorreu entre as 23h30, do passado dia 6, e as 3h da madrugada do passado dia 7, segunda-feira. A Polícia Militar foi avisada mas chegou ao local tarde demais. No comunicado enviado às redações, a Samsung lamenta o sucedido, mas ressalva o facto de ninguém ter ficado ferido, acrescentando que está a colaborar com as autoridades para que o caso seja resolvido.

 

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR