O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, congratulou-se esta quinta feira com a adesão de mais de 40 mil trabalhadores ao protesto desta tarde, em Lisboa, e apelou à participação na ação de luta anunciada para 25 de julho.

“O balanço é extremamente importante e positivo. Num dia de verão […] tivemos aqui mais de 40 mil homens e mulheres a manifestarem a sua indignação contra a proposta do Governo que visa destruir a contratação coletiva e, simultaneamente, a assumirem o compromisso de prosseguir esta ação e esta luta para valorizar o trabalho e dignificar os trabalhadores”, afirmou Arménio Carlos aos jornalistas.

O secretário-geral daa CGTP falava no final de uma intervenção proferida esta tarde junto à Assembleia da República, local onde se concentraram milhares de trabalhadores que integraram uma marcha de protesto promovida pela Intersindical.

A CGTP convocou esta ação de protesto para contestar as políticas do Governo em geral e as alterações ao Código do Trabalho que deverão ser aprovadas no parlamento. A central sindical escolheu esta data para o protesto para mostrar ao Governo e à maioria parlamentar o repúdio dos trabalhadores relativamente às propostas de lei que deverão ser hoje aprovadas na Assembleia da República.

Uma das propostas prevê o prolongamento do período para a redução do pagamento do trabalho extraordinário, enquanto a outra reduz os prazos de caducidade e de sobrevigência das convenções coletivas de trabalho. “A contratação coletiva é um instrumento de harmonização e estamos convictos de que […] os trabalhadores nos locais de trabalho não vão baixar os braços em defesa dos seus direitos”, afirmou.

Arménio Carlos, que hoje anunciou uma concentração nacional de dirigentes e ativistas sindicais para dia 25, junto à Assembleia da República, para protestar contra os cortes salariais na função pública que serão aprovados nessa data, apelou à participação nesta ação de luta.

“O Governo, mais uma vez, agendou uma sessão plenária excecional na Assembleia da República para aprovar nas costas dos trabalhadores a tal reconfiguração dos cortes nos salários e apelamos aos dirigentes, delegados e ativistas sindicais, e a todas as pessoas que se queiram associar, que participem no plenário de 25 de julho”, reforçou o sindicalista.

A ação de protesto inicia-se com uma concentração nos jardins de São Pedro de Alcântara, em Lisboa, seguida de um desfile até ao parlamento, para ali rejeitarem a proposta de lei sobre a reconfiguração dos cortes salariais para a administração pública. “Embora estando num período de verão, não estamos a descansar nem à espera que alguma coisa nos caia do céu. Não há milagres”, exclamou Arménio Carlos.