Para quem aprecia séries e faz por não perder um episódio, perguntar pelo programa de televisão preferido é uma pergunta que origina respostas reveladoras. Pode evidenciar padrões de gosto e contribuir para definir uma personalidade. Posto isto, o que vêem os líderes mundiais no pequeno ecrã? Falamos de Obama, da rainha Isabel II, de David Cameron e também do Dalai Lama, entre outros.

Comecemos pela América do Norte. Desde que eleito (e reeleito) para o cargo que ocupa, Barack Obama já confessou gostar de diversos programas de televisão, sobretudo das séries do momento que tantos adeptos têm ganho. São exemplo Homeland, House of Cards, Breaking Bad e até o drama épico britânico Downton Abbey, cujo elenco da série fez um tour pela Casa Branca em 2013. Mas a preferida, ao que tudo indica, é The Wire, criada por David Simon. Segundo o Globo, para o presidente dos Estados Unidos é “um dos melhores programas de todos os tempos”.

Mas foi sobre A Guerra dos Tronos e True Detective que Obama pediu futuros episódios ao chefe executivo da HBO, num jantar estatal realizado em fevereiro último. E ao lado das mulheres e das filhas, o tempo de antena é outro: o pequeno ecrã é a porta de entrada para o sitcom da ABC, Uma Família Muito Moderna. Dada a lista de preferências, coloca-se a questão: como pode Obama ter tempo para seguir tantas séries? É provável que não veja tudo o que apregoa, diz o The Guardian. A publicação chega a relembrar que o conservador e locutor de rádio Rush Limbaugh acusou o presidente dos EUA de ver demasiada televisão.

Do outro lado do Atlântico, Isabel II têm programas um pouco diferentes debaixo de olho. De acordo com a Radio Times, a rainha do Reino Unido gosta de EastEnders, bem como das séries de investigação Midsomer Murders, The Last Detective e New Tricks. Mas também o Doctor Who prende a rainha à televisão. E o que dizer de programas mais recentes? Em 2011, a monarca terá admitido que não perdia um único episódio do X Factor.

De recordar que Isabel II, na companhia do Duque de Edimburgo, visitou os estúdios de A Guerra dos Tronos em Belfast, em junho. No entanto, ficou por se saber se vê ou não a série. E caso veja, se gosta dela. A julgar pelo facto de não se ter sentado no trono quando teve oportunidade, talvez a resposta seja negativa.

Ainda por terras inglesas, o The Guardian atesta que David Cameron é um sério adepto de assassinatos misteriosos vistos através de um ecrã, como The Killing, Case Histories, Silent Witness e Elementary. “Eu adoro assistir, e provavelmente deveria deixar de o dizer às pessoas, dramas criminosos na televisão”, disse o primeiro-ministro inglês.

Mas a lista continua: em 2007, Bill Clinton admitia à revista Time que ele e a mulher viam juntos, sempre que possível e antes de a campanha à data começar, a série Anatomia de Grey. Ainda o mês passado, Hillary terá manifestado apreço por House of Cards, enquanto Bill é um fã assumido de 24 e Scandal, cujo enredo é passado, muito a propósito, em Washington, D.C. A história gira em torno do romance entre Olivia Pope, ex-funcionária da Casa Branca e gestora de crises, e o presidente dos Estados Unidos.

E se o líder espiritual do Tibete, Dalai Lama, parece gostar do Discovery Channel, o Papa Emérito Bento XVI devora os telejornais nocturnos — terá passado as primeiras horas da reforma a apreciar a cobertura noticiosa da sua saída do Vaticano.