O Benfica voltou a perder hoje na pré-época futebolística de 2014/15 frente aos espanhóis do Valência, por 3-1, em jogo da Emirates Cup, em Londres.

O resultado acentuou as deficiências da equipa “encarnada”, que começou o jogo praticamente a ganhar frente à formação comandada por Nuno Espírito Santo, que apostou de início em Ruben Vezo, e manteve a vantagem durante toda a primeira parte, mas que na segunda metade não resistiu à aceleração do Valência concedendo três golos em 10 minutos.

O jogo não podia ter começado melhor para o Benfica, que logo aos dois minutos alcançou a vantagem no marcador pelo “reforço” Derley, que não desperdiçou o passe de Jara, após uma recuperação de bola de João Teixeira.

A defesa benfiquista mostrou-se mais acertada e menos permeável do que no sábado frente ao Arsenal, quando cedeu cinco golos em 46 minutos, desempenho que terá levado Jorge Jesus a revolucionar o “onze” inicial.

O técnico deixou Ruben Amorim, Gaitan e Lima de fora da ficha de jogo, em troca por Bernardo Silva, Nelson Oliveira, Ivan Cavaleiro e Luís Felipe, o único dos suplentes de sábado que não foi promovido à titularidade, mantendo apenas o guarda-redes Artur.

Mas a nova defesa também não foi isenta de distrações e erros: aos nove minutos, numa jogada em que a defesa benfiquista hesitou em colocar a bola fora do seu terço, Piatti rematou cruzado com perigo, mas o poste devolveu para as mãos de Artur.

Alcacer, Barragan e Feghouli ensaiaram outras jogadas perigosas, forçando Artur a aplicar-se, como aos 41 minutos, quando conseguiu evitar o empate por Alcacer, que surgiu isolado na pequena área.

Mas foram os “encarnados” que controlaram o jogo e criaram as melhores oportunidades de golo na primeira parte, em especial por Derley, Candeias e Jara.

Bebé, que na imprensa britânica é considerado a “maior contratação falhada” do Manchester United, terá ganho algum respeito ao construir algumas jogadas de perigo, em particular aos 40 minutos, quando o centro para Jara só não deu golo graças à intervenção da defesa do Valência.

No entanto, a segunda parte, com André Gomes na equipa “che”, teve uma história diferente porque, logo aos 49 minutos, Gaya recebeu a bola dentro da área e colocou a bola por entre as pernas de Artur.

O treinador português Nuno Espírito Santo deve ter inspirado os jogadores, que em cinco minutos deram a volta ao resultado: aos 54 minutos, Artur não segurou o remate de Rodrigo e Piatti aproveitou para fazer o 2-1.

O guarda-redes benfiquista voltou a estar mal quando, apenas cinco minutos depois, não foi além de uma defesa imperfeita a um remate de fora da área de Guardado.

Artur, o único titular da equipa da véspera, ainda tocou com as pontas dos dedos, mas não impediu a bola de entrar na baliza pela terceira vez hoje e oitava em menos de 24 horas – não surpreendeu, pois, que fosse substituído por Jorge Jesus.

Derlei e Talisca ainda tentaram reduzir a desvantagem do Benfica, mas foi o Valência que esteve mais perto de marcar quando, aos 89 minutos, o antigo benfiquista Rodrigo centrou da linha para dentro da área onde três dos seus companheiros, praticamente sem oposição, falharam o remate.

Jogo no Emirates Stadium, em Londres.

Benfica – Valência, 1-3.

Ao intervalo: 1-0.

Marcadores:

1-0, Derley, 02 minutos.

1-1, Gaya, 49.

1-2, Piatti, 54.

1-3, Guardado, 59.

Equipas:

Benfica: Artur (Paulo Lopes, 71), João Cancelo (Luís Felipe, 46, Bernardo Silva, 76), Lindelof (César, 63), Sidnei, Benito, André Almeida, João Teixeira, Bebé (Ola John, 72), Candeias (Salvio, 63), Derley e Franco Jara (Talisca, 63).

(Suplentes: Paulo Lopes, Maxi Pereira, Ola John, Nelson Oliveira, Ivan Cavaleiro, Salvio, Talisca, Victor Andrade, Cesar, Luís Felipe e Bernardo Silva).

Treinador: Jorge Jesus.

Valência: Yoel Rodriguez (Diego Alves, 81), Barragan, Ruben Vezo, Otamendi, Gaya, Parejo (Fuego, 46), Guardado (Ibanez, 68), Feghouli (André Gomes, 46), Piatti (de Paul, 66), Carles Gil (Rodrigo, 46) e Alcácer (Ramirez, 81).

(Suplentes: Diego Alves, Ramirez, de Paul, Fuego, Viera, Rodrigo, Cissokho, Vinicius, Jaume, Ibanez e André Gomes).

Treinador: Nuno Espírito Santo.

Árbitro: Ryuji Sato (Japão).

Acção disciplinar: Cartão amarelo para João Teixeira (79 minutos).