A longa-metragem de Edgar Pêra “Virados do avesso” chega esta quinta-feira hoje às salas de cinema e marca a estreia do realizador na comédia, depois de mais de três dezenas de filmes, em cerca de 30 anos de carreira.

“Virados do avesso” é uma comédia de situação, feita com um orçamento próximo dos 600 mil euros, rodada em Portugal, durante três semanas. Conta com as interpretações de Diogo Morgado e Jorge Corrula, secundados por Nicolau Breyner, Nuno Melo, Rui Unas, Diana Monteiro, Marina Albuquerque e Anselmo Ralph, numa curta participação.

Morgado e Corrula formam um casal homossexual. Um dia, um deles acorda com amnésia, transformando-se num heterossexual folião, o que permite criar as “situações de comédia” de que o filme se alimenta.

Edgar Pêra, que a agência Curtas-Metragens enquadra como “iconoclasta para uns e cine-poeta-provocador, para outros”, soma mais de 30 filmes dirigidos, entre documentários e ficções, curtas e longas-metragens, e conta com prémios como o Pasolini de carreira, atribuído em Paris, em 2006.

“A Cidade de Cassiano”, Grande Prémio do Filme de Arquitetura Festival de Cinema de Bordéus, em 1992, e “Movimentos Perpétuos – Cine-Tributo a Carlos Paredes”, prémio do público, melhor fotografia e melhor filme, no festival IndieLisboa 2006, são algumas das suas obras.

Entre os seus últimos filmes contam-se “O Barão” e “Rio Turvo”, a partir de Branquinho da Fonseca, e as produções em 3D “Horror in the Red District (Documental Prologue)”, “Stillness” e “Lisbon Revisited”, sobre Fernando Pessoa, assim como “Cinesapiens”, para a produção “3X3D”, feita com Jean-Luc Godard e Peter Greenaway, que encerrou a Semana da Crítica do último Festival de Cannes.

Entre as estreias de hoje, nos cinemas, contam-se igualmente o filme de Richard Linklater “Boyhood”, Urso de Prata no Festival de Berlim, no passado mês de fevereiro, e “O guia de ideologia do depravado”, centrado no filósofo Slavoj Zizek, dirigido pela britânica Sophie Fiennes.