Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A caixa de medicamentos inteligente que Diogo Ortega desenvolveu – para lembrar quem está doente que está na hora de tomar a medicação – está a dar frutos na Alemanha. Depois de ter sido selecionada pela farmacêutica Bayer para participar no programa que criou para acelerar startups, o Grants4Apps, a PharmAssistant anunciou uma parceria com o gigante da área farmacêutica para o desenvolvimento de um teste piloto.

“Os três meses e meio que passámos em Berlim e em Leverkusen permitiram­-nos desenvolver o nosso modelo de negócio e estabelecer uma rede dentro da farmacêutica, e com os ‘stakeholders’ mais relevantes no mercado alemão. Este piloto é apenas o primeiro passo numa relação que esperamos duradoura”, afirma Diogo Ortega, presidente e co­fundador da PharmAssistant.

A parceria com a equipa de Product Supply Innovation da Bayer foi anunciada no evento de encerramento do programa, o Demo Day, na Alemanha, na segunda-feira, 1 de dezembro, e o próximo passo da equipa é fechar a primeira ronda de investimento: 300 mil euros até ao início de 2015, que estão a ser negociados com investidores portugueses e estrangeiros. Até agora, a Bayer investiu 50 mil euros na startup portugesa.

A Bayer também lhes ofereceu a possibilidade de permanecerem mais tempo na sede da empresa, mas Diogo Ortega quer montar o escritório da empresa em Lisboa. Na Alemanha, estão a considerar abrir uma subsidiária e em Portugal já há vagas para quem se quiser juntar à startup. Para compor as equipas de desenvolvimento e produto, a empresa abriu um processo de recrutamento para as áreas de engenharia, business development, marketing e comunicação.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Apoio para familiares e profissionais de saúde 

Cinco comprimidos às 9 horas, dois às 13h e quatro ao deitar. A situação parece-lhe familiar? (E alguma vez se esqueceu ou atrasou a toma de algum deles?) Foi para evitar situações deste tipo que Diogo Ortega criou a PharmAssistant, em abril de 2014. A ideia surgiu depois de a sua avó ter trocado um medicamento que era para o avô. Formado em Gestão, em Londres, trabalhava como comissário de bordo na TAP, de onde se despediu para avançar com o projeto.

A caixa de medicamentos inteligente que está a ser desenvolvida por Diogo Ortega, pode ser ligada ao smartphone, para lembrar que está na hora de tomar os medicamentos. Além de um alarme visual e sonoro, a caixa tem um sensor de abertura e está ligada a um serviço de monitorização em nuvem (cloud) permite que os familiares ou profissionais de saúde percebam se o utilizador está a tomar os medicamentos a horas.

A ideia foi um dos três finalistas do programa de aceleração de startups Lisbon Challenge, promovido pela Beta-i e, antes, já tinha vencido o Appy Day BPI, uma competição para a criação de aplicações mobile, organizada pelo BPI em parceria com a Nos, Microsoft, Google GMS Store e TVI 24. É constituída por uma equipa de quatro empreendedores.

No Demo Day, foram apresentados resultados das cinco startups do Grants4Apps, apuradas entre 70 candidaturas. A farmacêutica disponibilizou às startups um espaço no escritório em Berlim, 50 mil euros e acesso à rede de contactos, além do apoio de dois mentores. A PharmAssistant também foi finalista do Startups@Reeperbahn, em Hamburgo, na Alemanha, e estabeleceu uma parceria com a Universidade do Texas, através do programa UTEN Portugal.