Cinema

Manoel de Oliveira recebeu Legião de Honra francesa por “carreira fora do comum”

266

Manoel de Oliveira foi distinguido com a Legião de Honra francesa, por uma carreira que o embaixador em Portugal, Jean-François Blarel, disse ser "fora do comum", marcada pela amizade com aquele país.

RICARDO CASTELO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Numa cerimónia que decorreu no Museu de Serralves, no Porto, o embaixador francês salientou as ligações francófonas de Manoel de Oliveira, mostrando “orgulho por que parte da obra tenha sido realizada em França” e em francês, lembrando as diversas distinções que o realizador português já recebeu ao longo da carreira, desde o prémio Robert Bresson à Palma de Ouro pela carreira, em Cannes.

“É para mim uma grande honra receber, da parte da França, esta distinção”, afirmou Manoel de Oliveira, em francês, antes de agradecer à França e de dizer “Viva o cinema!” perante uma assistência que incluía o secretário de Estado da Cultura, o presidente da Câmara Municipal do Porto e o realizador João Botelho.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, relatou que, muitas vezes, é questionado sobre se Manoel de Oliveira é do Porto: “Eu costumo dizer que o Porto é de Manoel de Oliveira.”

Jean-François Blarel elencou a série de vidas contidas nos quase 106 anos – a completar na quinta-feira – do realizador de “Douro, Faina Fluvial”, desde o ator de “Fátima Milagrosa” ao dançarino de “Inquietude”, passando por tantos outros. O diplomata sublinhou tratar-se de um “realizador genial, sempre de uma modernidade radical, sem cessar de se colocar em causa, de explorar novas estéticas e manifestando sempre a consciência forte do valor artístico do cinema”.

Por seu lado, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, em comunicado, enalteceu hoje o realizador Manoel de Oliveira como uma “referência do cinema nacional e mundial”, no dia em que o cineasta foi distinguido pelo Governo de França. Passos Coelho afirmou, no comunicado, que se “congratula com a atribuição, por parte do Estado francês, das insígnias de Grande Oficial da Legião de Honra de França ao realizador Manoel de Oliveira”.

O primeiro-ministro recordou ainda que o Estado português também já distinguiu a “carreira ímpar de Manoel de Oliveira”, com a Comenda da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada (1980), com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada (1988) e com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D.Henrique (2008).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
371

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)