A bolsa nova-iorquina encerrou nesta terça-feira em baixa, prolongando um início de ano complicado, enquanto a queda dos preços do petróleo e alguns indicadores mitigados favoreciam a contenção dos investidores. Os resultados definitivos da sessão indicam que o Dow Jones Industrial Average perdeu 0,74% (130,01 pontos), para as 17.371,64 unidades, depois de ter perdido na véspera cerca de 2%, e o Nasdaq 1,29% (59,84), para as 4.592,74.

Muito seguido pelos investidores, o índice alargado S&P 500 recuou 0,89% (17,97), para os 2.002,61 pontos. “Os investidores não gostam de incertezas”, resumiu David Levy, da Kenjol Capital Management. “Ora, a volatilidade das cotações do petróleo e do mercado obrigacionista acentuaram manifestamente as incertezas. Assistimos a transações dominadas pela aversão ao risco”, acrescentou.

A cotação do petróleo acabou de facto a sessão em Nova Iorque com uma nova queda, que a colocou no nível mais baixo desde há quase seis anos, instalando-se abaixo dos 50 dólares por barril, num mercado que continua dominado pela angústia decorrente de uma produção excessiva. Além disso, “e dada a ausência de qualquer catalisador da alta hoje, a situação permanece muito incerta na “Europa”, acrescentou Levy.

Os investidores admitem que uma vitória do partido Syriza nas legislativas de 25 de janeiro pode provocar a saída da Grécia da Zona Euro. As transações bolsistas acusaram durante a manhã “a divulgação de um artigo do Financial Times, que citou [economistas do] Oxford Economics dando a entender que o Syriza dispõe de um apoio claro na Grécia para rejeitar as medidas de austeridade impostas pela União Europeia”, adiantaram os analistas da Briefing.com.

Os índices, que há várias sessões que estão a retroceder dos recordes estabelecidos no final de 2014, não encontraram suporte nos indicadores do dia sobre a economia dos EUA. “A atividade nos serviços dos EUA diminuiu no último mês para o seu ritmo mais fraco desde junho”, segundo um relatório da associação profissional ISM, “e as encomendas industriais baixaram pelo quarto mês consecutivo em novembro”, sublinharam os analistas da Wells Fargo.