NATO

NATO anuncia o maior reforço militar desde o fim da Guerra fria para “responder” à Rússia

A NATO vai criar novos centros de comando no leste da Europa e uma nova força de reação rápida em "resposta" à Rússia.

França, Alemanha, Itália, Espanha, Polónia e Reino Unido concordaram assumir a responsabilidade da organização da nova força

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A NATO vai criar seis “centros de comando” na Europa de leste e uma nova força de reação rápida de cinco mil homens em resposta à “agressão” da Rússia na Ucrânia, anunciou o secretário-geral aliado Jens Stoltenberg.

França, Alemanha, Itália, Espanha, Polónia e Reino Unido concordaram assumir a responsabilidade da organização desta nova força de mobilização rápida, que deverá ser deslocada no prazo de uma semana para responder a situações de crise, precisou Stoltenberg em conferência de imprensa no final de uma reunião dos ministros da Defesa da Aliança Atlântica.

“Decidimos o estabelecimento imediato dos primeiros seis comandos multinacionais e unidades de controlo na Bulgária, Estónia, Letónia, Lituânia, Polónia e Roménia”, disse. “Caso surja uma crise, vamos assegurar que as forças nacionais e da NATO em todos os países da Aliança terão capacidade para atuar como um todo desde o início”, adiantou o chefe aliado.

Esta força “deve ter a capacidade para responder em apenas alguns dias a qualquer crise emergente”, sublinhou Stoltenberg, numa referência à força de elite de cinco mil homens, definida como “lança de ferro” e integrada na nova estrutura com um total de 30 mil militares.

Os comandos também deverão assegurar uma capacidade de deslocação mais eficaz, apoiar o planeamento de defesa coletiva e ajudar a coordenar “jogos de guerra”. A rede de bases irá na prática coordenar o envio desta força na eventualidade de uma crise. Esta força também estará destinada a contrariar uma eventual ameaça de militantes islamitas no Iraque, Síria e norte de África.

A reunião destinou-se a concretizar este novo empenho aliado, quando a situação na Ucrânia é agora considerada ainda mais preocupante. “É uma resposta às ações agressivas da Rússia, que violou a lei internacional e anexou a Crimeia”, reafirmou Stoltenberg durante a reunião.

O governo britânico foi o primeiro a responder ao novo esforço aliado e anunciou que vai disponibilizar 1.000 soldados para a nova força de reação rápida, nos Estados bálticos, e que a vai liderar em 2017. Em comunicado, o ministro da Defesa, Michael Fallon, que participou na reunião de Bruxelas, também confirmou o envio de quatro aviões Typhoon para a vigilância aérea da Estónia, Letónia e Lituânia em 2015, as três ex-repúblicas soviéticas do Báltico. “A credibilidade da NATO face aos desafios de segurança que enfrentamos depende de que todo o mundo desempenhe o seu papel em implementar as decisões tomadas [na reunião de setembro passado] em Gales”, declarou.

Enquanto Kiev reclama armamento suplementar, uma opção que está a ser analisada por Washington, o secretário-geral da NATO e ex-primeiro-ministro norueguês também aproveitou o encontro dos ministros da Defesa da Aliança para sublinhar que “caberá a cada Estado decidir” sobre o pedido de Kiev.

O secretário norte-americano da Defesa Chuck Hagel, que participou pela última vez numa reunião dos aliados, reconheceu que a administração norte-americana estava a analisar essa opção. “Penso que a assistência que prestamos, quer os Estados Unidos quer os parceiros da NATO, deve ser constantemente avaliada. Estamos em vias de avaliar a assistência à Ucrânia”, acrescentou nas suas declarações. No entanto, também moderou as suas observações ao insistir que a crise na Ucrânia “não será resolvida por meios militares”.

Stoltenberg sublinhou que, no imediato, a NATO decidiu proceder ao “mais importante reforço” da sua defesa coletiva “desde o fim da Guerra fria”. Na cimeira de setembro, os chefes de Estado e de governo da Aliança tinham já decidido aumentar os seus meios de defesa após a anexação da Crimeia pela Rússia, e o envolvimento de Moscovo no leste da Ucrânia designadamente através do apoio logístico e militar aos separatistas pró-russos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

NATO

A velhinha NATO /premium

Diana Soller

Mas não faz sentido ignorar que, aos 70 anos, a NATO, que nos garante silenciosamente a segurança e que sobreviveu ao seu próprio sucesso na Guerra Fria, nunca passou um período tão difícil. 

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)