Justiça

Auditoria aponta para falhas de segurança no edifício do DCIAP

Documento revelado pelos jornais Público e Diário de Notícias aponta várias falhas na gestão do departamento. Documentos sensíveis, incluindo do caso Sócrates, guardados numa garagem.

Joana Marques Vidal, Procuradora-Geral da República

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Nuno André Martins

Uma auditoria ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), a unidade do Ministério Púbico de combate à criminalidade complexa, revela deficiências no controlo de segurança do edifício, polícias recrutados com base em critérios de amizade e atrasos em processos que chegam aos dez anos, revelam hoje os jornais Público e Diário de Notícias.

A lista de críticas da auditoria é longa e aponta para uma profunda desorganização no funcionamento do DCIAP. Segundo o Público, os auditores apontam para que alguns polícias destacados para coadjuvar os magistrados o tenham sido com base no conhecimento pessoal e amizade, apontando também para gastos avultados que incluem o pagamento de multas por excesso de velocidade aos motoristas do departamento e a distribuição de inquéritos sem qualquer critério.

Já o Diário de Notícias evidencia a falta de condições dos magistrados, dando o exemplo de Rosário Teixeira, que trabalha no espaço destinado ao arquivo dos seus processos – incluindo os relacionados com a detenção de José Sócrates, num corredor de acesso localizada no quarto andar de uma garagem.

O jornal aponta ainda a deficiente segurança no acesso ao edifício, sem existir o registo das pessoas das pessoas que entram no edifício, nem sequer a identificação destes, passando pela portaria com apenas a invocação de quem acompanham”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Justiça

Danos do divórcio e direito à indemnização

Nuno Cardoso Ribeiro
634

Hoje o processo judicial de divórcio não admite pedidos indemnizatórios sendo necessária uma acção cível e reviver factos e episódios que se prefere esquecer. Este regime todos os dias cria injustiças

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido
2.378

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)