O ator norte-americano Leonard Nimoy, conhecido por ter interpretado o papel de Mr. Spock na série Star Trek, morreu esta sexta-feira na sua casa em Bel Air, em Los Angeles. Tinha 83 anos.

A morte do ator foi confirmada pela sua mulher, Susan Bay Nimoy. Ao New York Times, Susan explicou que Nimoy sofria de uma doença pulmonar obstrutiva crónica, que acabou por causar a sua morte. O diagnóstico já tinha sido anunciado pelo ator em 2014, data em que explicou que a doença tinha sido provocada pelo tabaco, um vício que tinha abandonado há três.

Nimoy tinha sido internado segunda-feira devido a um agravamento no seu estado de saúde. Foi nesse dia que escreveu a última mensagem no Twitter. “A vida é como um jardim. Os momentos perfeitos podem ser vividos, mas não podem ser preservados, exceto na memória”, escreveu, assinando “LLAP”, a sigla para “live long and prosper”, a frase que imortalizou enquanto Spock.

Leonard Nimoy nasceu em Boston a 26 de março de 1931, filho de imigrantes ucranianos. A paixão pelo teatro surgiu muito cedo, mas foi só aos vinte anos que conseguiu os primeiros papéis no cinema.

Realizador, fotógrafo, poeta e músico — ao longo de 83 anos, Leonard Nimoy foi muito. Mas, acima de tudo, foi Spock. Ao longo de quase 50 anos, o ator vestiu a pele do extraterrestre de orelhas pontiagudas, a que deu vida pela primeira vez na década de 1960. A bordo da nave USS Enterprise, comandada pelo Capitão Kirk (William Shatner), Nimoy continuou a explorar a galáxia, mesmo depois de a série ter sido cancelada. Emprestou a voz a curtas-metragens e retomou a personagem em vários filmes, incluindo na mais recente sequela, Star Trek: Into Darkness, realizada por J. J. Addams, em 2013.

A série estreou nos Estados Unidos da América a oito de setembro de 1966, mas foi cancelada ao fim de três temporadas, em 1986. Apesar disso, a legião de fãs continuou a aumentar e persiste até aos dias de hoje. Gene Roddenberry, criador da saga, costumava chamar a Nimoy “a consciência do Star Trek“. Já Nimoy, chegou mesmo a escrever que “se pudesse escolher ser outra pessoa, seria Spock”.