Todos os dias as pessoas julgam-se umas às outras, seja pela roupa, pelo aspeto ou pelo ar que transmitem. Quem sai à rua sabe que vai ser escrutinado por desconhecidos. A pensar nisso, ficam aqui alguns truques para que pareça uma pessoa inteligente e interessante, até porque nunca sabe com quem se pode cruzar.

Óculos de massa

Invista nos óculos de massa, mas só se tiver mesmo problemas de visão. Os óculos sempre foram um estereótipo de inteligência, e os de massa, para além de estarem na moda, transmitem um ar de intelectual. Um grupo de cientistas citado pelo El Mundo fez um estudo em que juntou um grupo de voluntários e mostrou-lhes fotografias de três tipos de pessoas: com óculos de massa, com óculos sem armação e sem óculos. Aos voluntários cabia-lhes julgar essas pessoas em três aspetos: se pareciam bem-sucedidas, inteligentes e atraentes. Nas categorias bem-sucedidas e inteligentes foram escolhidas as pessoas que usavam óculos, independentemente de serem de massa ou não. Já na categoria de atraentes foram escolhidas as pessoas sem óculos e as de óculos sem armação. Este estudo não contempla os óculos 3D do cinema.

Formato facial

De acordo com um estudo de investigadores checos, que também se baseou na mostragem de fotografias de várias pessoas, é mais fácil detetar a inteligência nos homens do que nas mulheres. Aos homens basta ter um rosto, um queixo e um nariz alongados, e uma separação entre os olhos suficiente. Já as mulheres não têm a mesma sorte. Ao que parece, são julgadas de forma diferente porque a sua beleza ofusca as opiniões.

Gestos e forma de andar

Os gestos e a forma de andar têm grande influência no que toca a descortinar a inteligência alheia. Se estiver nervoso ou num encontro não exagere na gesticulação, no tom de voz, nem comece a falar como se tivesse engolido um dicionário de palavras caras. Segundo psicólogos, deixar de sorrir ou usar palavras esdrúxulas e expressões complicadas é um beco sem saída que vai fazê-lo passar a ideia errada. Tudo o que tem a fazer é sentar-se direito e olhar nos olhos enquanto fala, adotar uma expressão facial segura — lembre-se que não está a jogar póquer –, expressar-se de forma clara e prestar atenção ao que as outras pessoas dizem. Quanto à forma de andar, o conselho é simples: não ande nem muito depressa nem muito devagar.

Saber quando beber

A última dica passa por ter em atenção quando é que tem uma cerveja na mão. Sim, há momentos impróprios para segurar cerveja e até para beber álcool no geral — por exemplo, quando estiver na presença de abstémios. Segundo um trabalho de cientistas americanos, isto funciona como uma faca de dois gumes: quem não bebe vai achar que quem está com um copo na mão é estúpido, e quem está com o copo na mão vai achar que o estúpido é o que não bebe. Estes cientistas concluíram que muitas vezes erramos quando menos esperamos. Senão vejamos: numa entrevista de trabalho que inclua um jantar, quem vai contratar vê com melhores olhos os candidatos que pedem sumo em detrimento dos que pedem vinho. Os amantes de sumo ou água apresentam-se como a melhor escolha para o cargo, seja ele qual for.

As aparências até podem iludir, mas as primeiras impressões é que ficam. Caso não queira renunciar ao passo apressado de quem está sempre atrasado para chegar a algum lado, ou à bela da cerveja ao fim do dia, só lhe resta mesmo começar a usar óculos.