Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não é todos os dias que Portugal recebe uma série completa de obras de Francisco de Goya. Mas é isso mesmo que o público português vai poder ver até 12 de maio, no Torreão Poente do Terreiro do Paço, em Lisboa. A exposição segue depois para o Porto e outras cidades portuguesas.

Uma das pinturas mais famosas de Goya (1746-1828) está no Museu do Prado, em Madrid. Trata-se do imponente retrato do rei Carlos IV de Espanha e restante família real. Mas, apesar de pintor oficial da corte de Carlos IV, o pintor espanhol foi também um crítico feroz em relação à sociedade em que viveu, como demonstra em “Caprichos”, uma coleção de 80 gravuras feitas no século XVIII que é uma sátira aos vícios mundanos, às instituições políticas, e às injustiças sociais infligidas pelas classes mais privilegiadas, a nobreza e o clero.

A exposição insere-se numa iniciativa da UNESCO, em paralelo com o plano Objetivos de Desenvolvimento do Milénio da Organização das Nações Unidas em prol da justiça social, e foi trazida para Portugal pela produtora UAU, em parceria com o Museo Casa Palacio, em Espanha, que alberga as 80 gravuras.

“Caprichos de Goya” pode ser visitada todos os dias das 10h00 às 19h00. O preço normal é de sete euros e parte das receitas será destinada à Organização Não Governamental portuguesa P&D Fator – Associação para a Cooperação sobre População e Desenvolvimento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR