Ex-SCUT

Novo regime de portagens fica na gaveta à espera do próximo governo

O governo vai deixar o trabalho feito, mas considera que não há tempo antes das eleições para discutir a mudança dos sistema de pórticos nas ex-Scut e quer evitar politização do tema.

O trabalho técnico fica feito para o próximo governo decidir

Arm

Anunciado em 2013 o novo modelo de cobrança de portagens nas autoestradas já não vai entrar em funcionamento nesta legislatura, confirmou fonte oficial do Ministério da Economia. O trabalho técnico vai ficar feito, mas o executivo considera que não há tempo suficiente para estudar a sua implementação e promover a discussão pública sobre o tema, com vista a obter um consenso possível.

O governo reconhece que existe o risco de politizar a discussão, dada a proximidade das eleições, e prefere deixar o tema para decisão na próxima legislatura. O novo modelo de cobrança iria implicar a alteração do atual sistema de pórticos que está em vigor nas antigas Scut, autoestradas sem custos para os utilizadores, e que tem sido fortemente contestado pelos automobilistas e entidades locais.

O modelo que estava a ser equacionado pela Estradas de Portugal (EP), com o apoio dos operadores e da Via Verde, previa que a cobrança passasse a ser feita em função do número de quilómetros percorridos e não apenas nos troços cobertos pelos pórticos. Este sistema, que o executivo defende como mais justo, permitiria baixar o custo por quilómetro percorrido. Não era, no entanto, evidente que esta solução resultasse numa descida do custo das portagens para todos os utilizadores e em todos os percursos. Estava igualmente prevista a introdução de medidas de discriminação positiva nas vias do interior, com um preço por quilómetro mais baixo.

Uma das questões técnicas mais complexas de resolver seria a solução tecnológica para implementar esta alteração, que implicaria provavelmente a generalização de dispositivos eletrónicos em todos os carros que circulassem nestas vias. Uma das hipóteses que chegou a ser ponderada foi o recurso à tecnologia do GPS, associada ao uso de satélites.

A EP queria encontrar um modelo de cobrança mais barato do que o atual e previa-se na fase inicial de estudos que a alteração gerasse mais receitas, designadamente por via da redução da taxa de fraude e uma maior eficácia na cobrança de portagens. Este esforço já tem vindo a ser implementado com o atual sistema de pórticos com alguns resultados. Contudo, a contestação em relação às execuções fiscais para dívidas de portagens e os elevados custos imputados aos utilizadores é cada vez mais forte.

Em 2014, as receitas de portagens nas sete antigas Scut atingiram os 223 milhões de euros, um crescimento de 10% face a 2013. No entanto, o nível de proveitos ainda não permitir cobrir os encargos do Estado com estas vias.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)