Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Diz a sabedoria popular que os caracóis só se comem entre maio e agosto, ou seja, em todos os meses sem ‘r’. Mas será mesmo assim? Nem sempre. A maioria das casas lisboetas respeita a tradição mas outras há que antecipam o início da época de ataque aos gastrópodes. Não estarão na sua plenitude — nesta altura ainda trazem alguma areia — mas já dão para matar saudades. Vamos ao roteiro?

Pomar de Alvalade
As fotografias na parede do antigo selecionador nacional, Paulo Bento, denunciam a origem desta casa, que pertenceu aos seus pais durante vários anos. Os caracóis (6,50€/dose) são um dos seus petiscos incontornáveis. Quem quiser algo mais substancial deve visitar a casa aos sábados para provar outra grande especialidade: arroz de moelas com gambas.
Rua Marquesa de Alorna, 21C (Alvalade). 21 849 7460

Sem Palavras
Numa das mais concorridas cervejarias de Alvalade, a época dos caracóis começou na passada sexta-feira. A dose está a 7€. Para completar a patuscada há ótimo pica-pau e um excelente bitoque.
Avenida Rio de Janeiro, 52 (Alvalade). 21 846 1958

A Tabuense
“Se temos caracóis? Ó meu amigo, basta ver no Facebook: claro que temos!” O ponto de exclamação no final da citação não faz jus ao entusiasmo da resposta dos responsáveis d’A Tabuense. Nesta casa, a época começou há 15 dias e cada dose custa 6€.
Avenida do Brasil, 182 (Alvalade). 21 849 0709.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Filho do Menino Júlio dos Caracóis
Quando se fala de caracóis, em Lisboa, fala-se quase sempre nesta mítica casa da zona oriental da cidade. Aqui, a temporada do bicho começou a 9 de abril, com direito a música ao vivo. Servem-se de terça a domingo, sempre a partir das 17h. Cada prato custa 5€.
Rua Vale Formoso de Cima, 140B (Marvila). 21 859 6160 

Restaurante Júlio dos Caracois

O cenário mais provável de encontrar em qualquer mesa do Filho do Menino Júlio dos Caracóis, nesta época (foto: Paulo Spranger / Global Imagens ©)

Varanda do Vale Formoso
Este vizinho do afamado Menino Júlio também dá cartas nesta matéria, entre outras (como a lampreia, por exemplo). Servem caracóis desde 10 de abril, a 5€ cada prato, o mesmo preço de outros anos.
Rua Vale Formoso de Cima, 113B (Marvila). 21 838 0070

O Germano
Noutro dos clássicos de Marvila — o bairro lisboeta onde melhor se pratica a arte da caracolada –, os rastejantes têm lugar marcado na panela e nas travessas de há uma semana a esta parte. Cada prato fica por 5€. Para os apreciadores, as caracoletas da casa também têm fama. E por boas razões.
Rua Vale Formoso de Cima, 127B (Marvila). 21 859 6634

O Hoquista
É uma das petiscarias mais reputadas de Benfica, onde os caracóis têm sempre qualidade garantida. Estão a servi-los há pouco mais de uma semana e, em relação ao ano passado não houve alterações ao preço da dose (generosa, por sinal): custa 7,50€.
Estrada de Benfica, 4059. 21 802 9336

Edmundo
As filas para o Edmundo já fazem parte da paisagem diária de Benfica. Devem-se mais à cozinha portuguesa a preços justos do que propriamente aos caracóis, mas estes também marcam presença na ementa. A dose custa 6,90€.
Avenida Gomes Pereira, 1 (Benfica). 21 715 3335

Adega do Rossio
Escusa de procurar no Rossio porque não vai encontrar esta pequena tasquinha, especializada em bifanas mas que no pico da época dos caracóis, serve uns exemplares bastante razoáveis. Fica atrás da famosa praça, na rua 1º de Dezembro. Esta é a segunda semana do ano em que estão a servir caracóis. Segundo os responsáveis, “ainda estão um bocadinho amargos”. A dose custa 5€.
Rua 1º de Dezembro, 3 (Baixa). 21 346 1041

Sé da Guarda
Aqui não há grande respeito pela tradição, já que os caracóis (8€/dose) fazem parte da ementa há dois meses. Há quem jure que, ainda assim, são os melhores de Algés. As moelas grelhadas também têm fama, tal como o cozido à portuguesa das sextas-feiras.
Rua do Sport Algés e Dafundo, 16 (Algés). 21 411 5923

Além destes dez sítios, há outros dez que ainda não estão a servir a especialidade mas que têm pergaminhos e merecem atenção assim que derem início à época. A saber:

A Palmeira
Rua do Crucifixo, 69 (Baixa). 21 342 8372

O Lutador
Rua da Junqueira, 1 (Alcântara). 21 018 3099

Zebras do Combro
Calçada do Combro, 51-53 (Chiado). 21 346 2110

O Trevo
Praça Luís de Camões, 48 (Chiado). 21 346 8092

Padaria do Povo
Rua Luís Derouet, 20 (Campo de Ourique). 21 362 0464

O Cardoso do Estrela de Ouro
Rua da Graça, 22. 21 886 5230

Caracóis de São Bento
Rua dos Poiais de São Bento, 38. 21 820 7273

Manjar do Duque
Avenida Duque d’Ávila, 40A (Saldanha). 21 354 6433

Eduardo das Conquilhas
Rua Capitão Leitão, 118 (Parede). 21 457 3303

Páteo do Petisco
Travessa das Amoreiras, 5 (Cascais). 21 482 0036