A receita mágica para o fim de semana é só uma, certo? Praia, praia, praia. Mas na tentação (e pressa) de receber as primeiras doses de fotossintese do ano e ficar com um tom de pele mais agradável, provavelmente não pensa em tudo o que deve, e não deve, fazer antes, durante e depois de se deitar ao sol com uma revista, um sumo de melancia e boa música a tocar no iPod. Não estamos a falar da proteção solar, do chapéu, dos óculos de sol, das horas a evitar… Isso já toda a gente sabe. Estamos a falar de esfoliações, de depilações, de perfumes, de maquilhagem e uma série de cuidados de última hora que, eventualmente, todas fazemos a dada altura. E que temos de parar de fazer. Porquê? Já vai perceber.

1. Não faça depilações SOS

Quantas vezes não decidiu, de repente, ir à praia e foi a correr fazer a depilação? Este é o erro número 1 que as mulheres cometem. A depilação retira a camada superficial da pele e a exposição ao sol imediatamente a seguir pode provocar manchas nos locais depilados e até queimaduras. Este erro é o responsável pelo escurecimento da zona das virilhas e do buço com que tantas mulheres sofrem. E isto é válido para cera ou cremes, mas também para lâminas ou máquinas porque o contacto com a areia, sal e cloro pode provocar irritações na pele sensível pela depilação. Recomenda-se então um intervalo de 24 horas.

2. As esfoliações são obrigatórias

Antes de se expor ao sol é fundamental que faça uma esfoliação corporal. Além de retirar as células mortas, vai garantir um bronzeado homogéneo e mais duradouro. Mas, mais uma vez, não faça a esfoliação meia hora antes de sair de casa porque a probabilidade de ganhar irritações e manchas aumenta muito.

3. Os cremes after-sun não são só estratégia das marcas para vender mais

Estes produtos têm componentes próprias para apoiar a pele na sua recuperação depois de tanta agressão (areia, cloro, sol, sal, vento…). Se não tiver em casa um after-sun, passe bastante hidratante depois de apanhar sol. Invista em hidratantes à base de Aloe Vera e antioxidantes porque ajudam a regenerar as células. E, além de acalmarem e refrescarem a pele, também contribuem para manter o bronze — porque ajudam a repor a oleosidade perdida no contacto com o sol, o cloro e o sal.

4. Não use perfumes, maquilhagem ou outros produtos cosméticos que não sejam próprios para o sol

Os cosméticos ou a maquilhagem podem ser perigosos porque, ao não serem específicos para o sol, podem ter substâncias fotossensibilizantes (são substâncias que, em contacto com os raios ultravioletas, podem causar manchas e queimaduras na pele). Assim, evite sombras, delineadores e iluminadores porque são os produtos que mais facilmente conduzem a reacções alérgicas em contacto com o sol. Opte sempre por produtos à prova de água e filtros solares com cor para o efeito de base.

5. Saiba escolher o protetor solar certo para a sua pele

Os índices UV em Portugal variam entre o moderado e o alto entre Outono e Abril e muito alto entre Maio e Setembro. E para escolher o protetor solar, é preciso ter em conta o fototipo de pele de cada pessoa e escolher sempre produtos que protejam a pele dos dois tipos de raio, os UVA (presentes durante todo o dia e que causam o envelhecimento precoce e o cancro, ao atingirem a segunda camada de pele) e os UVB (responsáveis pelas queimaduras solares, mas também o cancro de pele). Assim:

  • Fototipo I: Pele muito clara, que fica vermelha com facilidade, nunca se bronzeia e queima-se ao mínimo descuido, deve usar sempre protetor solar FPS 50.
  • Fototipo II: Pele branca, que fica frequentemente vermelha, às vezes bronzeia-se mas também se queima, deve usar protetor solar entre FPS 30 e FPS 50, mas recomenda-se o 50.
  • Fototipo III: Pele intermédia, que raramente se queima e bronzeia-se gradualmente, deve usar protetor solar entre FPS 15 e FPS 25.
  • Fototipo IV: Pele escura, que se bronzeia rapidamente e nunca se queima, deve usar protetor solar FPS 15 e FPS 20.

O protetor solar deve ser aplicado antes de sair de casa, para fazer efeito até chegar à praia, e reaplicado de duas em duas horas ou cada vez que for à água. Estes cuidados também se aplicam mesmo se ficar à sombra, debaixo do chapéu ou se o céu estiver nublado.

6. Os protetores não impedem o bronze

Se acha que o protetor a impede de bronzear, não caia no erro de “só por hoje” ignorar o protetor para ver se se queima um bocadinho mais rápido. Uma pele protegida bronzeia-se melhor e mais rapidamente porque não ganha queimaduras e não descama. Além disso, já há bronzeadores que também têm proteção solar. E mais, seja generosa com as quantidades. O protetor é o último produto em que deve poupar e as quantidades recomendadas são uma colher de sopa para cada braço, perna, barriga, costas, ombros e uma colher de chá para o rosto e outra para o decote.