O Futebol Clube do Porto emitiu há instantes um comunicado onde revela que a polícia efetuou buscas nas instalações do clube e confirma as buscas em casa do diretor-geral da SAD, Antero Henrique.

“No âmbito de uma operação de investigação relacionada com a atividade da empresa de segurança que presta serviços ao nosso clube, o FC Porto informa que foi objeto de buscas nas suas instalações, bem como na morada do seu vice-presidente Antero Henrique”, lê-se no comunicado publicado no site do clube.

E acrescenta: “O FC Porto e o seu vice-presidente continuam inteiramente disponíveis para colaborar com a justiça.”

Antero Henrique, o diretor-geral da SAD do FC Porto, foi um dos alvos das buscas da PSP esta quinta-feira na megaoperação contra seguranças privados. Segundo o jornal Público terão sido apreendidos milhares de euros. O Correio da Manhã avança o número: 70 mil euros terão sido apreendidos a Antero Henrique. Contactado pelo Observador, o diretor do clube azul e branco disse “não estar disponível” para responder a qualquer pergunta.

O Público conta ainda que o proprietário da empresa que faz a segurança do FC Porto foi um dos alvos desta operação.

Quinze pessoas foram detidas e 50 buscas foram realizadas em diversos locais do país numa investigação relacionada com atividades ilícitas de empresas de segurança privada em estabelecimentos de diversão noturna, revelou a Procuradoria-geral da República.

Dos detidos da denominada “Operação Fénix”, refere o comunicado, “13 [foram-no] em cumprimento de mandados de detenção fora de flagrante delito e 2 em flagrante delito”. As buscas foram efetuadas em “Lisboa, Porto, Amarante, Lamego, Braga, Vila Real e Lousada”.

“A investigação está relacionada com atividades ilícitas no âmbito de empresa de segurança privada em estabelecimentos de diversão noturna, suscetíveis de integrar a prática de crimes de associação criminosa, de exercício ilícito da atividade de segurança privada, de detenção de arma proibida, de extorsão agravada, de coação, de ofensas à integridade física qualificada, e de favorecimento pessoal. Foram apreendidas viaturas automóveis, quantias monetárias, armas e documentação”, adianta no comunicado a PGR. Entretanto, a PSP anunciou que foram apreendidas 40 armas, cerca de 121 mil euros, 10 viaturas e munições de diversos calibres.

Os detidos vão ser apresentados esta sexta-feira no Tribunal Central de Instrução Criminal onde lhes serão aplicadas medidas de coação.