A garantia é dada de forma direta por Bruno de Carvalho garante: o Sporting contratou Jorge Jesus em “2 dias”. Em entrevista à TVI, o presidente do Sporting garantiu ainda que o caso Marco Silva “é muito mais denso do que um fato” e que “não sabe se vai continuar no banco” durante os jogos do Sporting.

“Estávamos atentos ao que se estava a passar. A partir do momento em que tivemos a informação que Jorge Jesus podia não renovar no Benfica, contatámo-lo”, explicou Bruno de Carvalho, dizendo que abordou Jorge Jesus pela primeira vez “2 dias antes” de o contratar, e negando quaisquer jantares anteriores, como chegou a ser noticiado, dizendo que não é a sua “maneira de trabalhar”. “O meu verdadeiro estilo é comemorar vitórias e títulos”, acrescenta Bruno de Carvalho.

Na entrevista, o presidente do Sporting explicou ainda que o Sporting vai “investir em dois ou três jogadores para melhorar o plantel”. E dinheiro parece não ser problema. “Estamos bem financeiramente, temos a situação financeira mais saudável dos três grandes, com o menor passivo, logo, com uma certa manobra para investir”, explicou, sublinhando que, contudo, não será “um investimento, nem de perto nem de longe, dos rivais”.

No entanto, quando questionado sobre a forma de financiar e pagar ao novo técnico, Bruno de Carvalho foi escasso em explicações.”Não vou estar aqui a falar sobre isso [o salário de Jorge Jesus]. Os valores que têm estado na praça pública têm alguma intenção. Já ouvi 5, já ouvi 6,5 milhões… (…)”,disse o líder leonino, adiantando apenas que a proposta do Sporting foi a mais baixa de todas a que Jesus teria em cima da mesa. “Sou presidente de uma SAD, sabe que a SAD é cotada na CMVM. Temos responsabilidades, inclusivamente criminais”, justificou para não responder a este tipo de perguntas.

Já sobre a saída/despedimento de Marco Silva, Bruno de Carvalho não revelou todo o processo mas fez questão de deixar claro que “ninguém despede ninguém por causa de um fato. O processo é muito mais denso do que isso”. O presidente leonino foi aliás mais longe: “Uma coisa seria o Sporting estar a fazer algo contra as regras. Não está. Há um processo a decorrer, entregue ao departamento jurídico. A minha vontade é que as coisas não tivessem chegado a este ponto e tivessem uma resolução pacifica. A partir do momento em que há um processo disciplinar, isto transforma-se muito mais num assunto jurídico. É a lei”, disse.

Sobre o seu estilo de presidência, Bruno de Carvalho foi, ao seu estilo também, direto: “Agrada-me saber que não sou uma pessoa que vira a cara às batalhas, que pretende valorizar o lema do Sporting… Não fui eu que chamei bêbedo a um presidente de um clube nem atrasado mental a um funcionário. Tenho algumas afirmações controversas, não tenho dúvida nenhuma, mas é preciso haver resultados e eles têm aparecido”, concluiu.