Trocas de argumentos entre fãs do iOS e do Android são frequentes — e nem sempre acabam bem. Cada utilizador encontra facilmente dúzias de argumentos para “comprovar” que a sua preferência é a melhor, apesar do facto de ambos os sistemas terem os seus prós e contras.

A Apple, criadora do iOS, é já bastante conhecida pelas características únicas e exclusivas dos equipamentos que coloca à venda. Mas contra factos não há argumentos: no último ano, a marca da maçã teve de ceder e integrou nos seus sistemas algumas funcionalidades que os utilizadores de Android já tinham há muito.

A Business Insider foi em busca dessas funcionalidades. Encontrou 11. Ora veja:

1. Multitasking: divisão do ecrã

A nova versão do iOS 9, anunciada a 8 de junho na conferência WWDC, vai ser lançada no outono. Entre as principais novidades estão as opções de multitasking (multi-tarefa) para iPad. Ou seja, o utilizador pode optar por visualizar duas aplicações lado a lado e trabalhar nas duas em simultâneo.

A marca chamou a esta função Split View. Mas tanto a LG como a Samsung já tinham funcionalidades iguais nos seus aparelhos Android, embora com nomes diferentes: QSlide e Multi-Window, respetivamente.

2. “Siri” = “Google Now”

A “Siri” foi melhorada: a nova versão da assistente de voz virá incluída no iOS 9 e os responsáveis da Apple prometem “mais proatividade”. Ou seja, espera-se que a experiência com a “Siri” se torne cada vez melhor à medida que a assistente nos vai “conhecendo” melhor também.

Só que isto não é novo. Embora sejam conceitos diferentes, o “Google Now”, existente em Android, faz isto há, pelo menos, três versões atrás. A nova “Siri”, tal como o “Google Now”, poderá comunicar com outras aplicações existentes no dispositivo e detetar certos hábitos do utilizador, usando esta informação para melhorar as sugestões que oferece.

3. Apple e Google Maps

Para quem tem dispositivos Android, perder-se a pé numa cidade nunca foi grande problema. E a partir do outono, isso também não será problema para os fãs da Apple.

Os mapas da Google são ótimos para obter direções e encontrar informações relativas a transportes públicos e a outros serviços. Com o iOS 9, os mapas da Apple serão melhorados e passarão a incluir também este tipo de funcionalidades. Tal como já acontece no Google Maps, o Apple Maps poderá indicar-lhe como chegar a um determinado destino usando as redes de metropolitano, comboios, autocarros e outros meios de transporte.

4. Mover vídeos para o canto do ecrã

Outra “nova” funcionalidade do iOS 9 chama-se Picture in Picture. Permitirá aos utilizadores realizar tarefas no dispositivo ao mesmo tempo que veem um vídeo ou conversam com outra pessoa via Facetime. Ao ativar esta opção, a janela minimiza-se para um pequeno quadrado perfeitamente ajustável, sem que o vídeo ou o áudio sejam interrompidos.

Mais uma vez, esta função não é nova. A tecnologia QSlide da LG permite fazer isso desde 2013, com qualquer aplicação — onde se incluem o vídeo e as videochamadas, claro.

5. Sugestões de aplicações

Este ponto está relacionado com a tal “proatividade” que os dispositivos equipados com iOS 9 passarão a incluir. A nova geração de aparelhos da Apple fará sugestões de aplicações com base nos hábitos do utilizador. E a Business Insider dá um exemplo: se costuma ouvir música quando vai para o trabalho, o iPhone passará a abrir automaticamente o Apple Music assim que lhe ligue os seus auriculares de manhã.

Alguns aparelhos da HTC (One M9) e da Samsung — equipados com Android — também fazem isso: indicam aplicações relevantes com base nos hábitos do utilizador e até nas horas do dia. E como o sistema Android permite instalar launchers desenvolvidos por terceiros, alguns, como é o caso do Aviate, oferecem funcionalidades semelhantes.

6. Cartões de desconto e vouchers no Apple Pay

A próxima versão da aplicação de pagamentos Apple Pay permitirá armazenar cartões de desconto e vouchers, em conjunto com os já habituais cartões de crédito. Para os utilizadores do serviço da Google correspondente — o Wallet — esta funcionalidade já está disponível há algum tempo.

7. NFC (Near Field Communication)

Só no final do ano passado é que a Apple decidiu incluir nos seus telemóveis a tecnologia NFC. Esta funcionalidade permite que possamos, por exemplo, fazer pagamentos aproximando o iPhone de certos terminais.

Mas em 2012, embora este tipo de pagamentos ainda não fosse comum, smartphones como o Samsung Galaxy S3 já tinham esta tecnologia. Para além das compras, a tecnologia NFC permite, com o auxílio de uma tag, executar tarefas ou um conjunto de tarefas de forma automática no telemóvel. Este sistema de tags é já suportado na maioria dos modelos de telemóveis Android.

8. Widgets

O sistema operativo Android adotou o conceito de widgets logo nas primeiras versões (Eclair 2.0, lançado em 2009). São pequenos aplicativos interativos que se atualizam automaticamente, apresentando informação relevante ao utilizador. Por exemplo, um widget de meteorologia atualiza-se ao longo do dia com informações precisas do estado do tempo, com base na localização do utilizador.

A marca da maçã rendeu-se ao conceito no outono passado e adicionou widgets ao iOS 8 — mas de forma ligeiramente diferente. Os widgets em Android são ajustáveis e adicionam-se aos ecrãs iniciais do sistema. No iOS, os widgets aparecem no painel de notificações.

9. Abrir os assistentes sem tocar no aparelho

Com a oitava versão do sistema operativo da Apple, tornou-se possível “invocar” a assistente “Siri” sem sequer tocar no telemóvel. Basta, para isso, dizer em voz alta “Hey Siri”, em vez de premir o botão inicial do aparelho. Em 2013, a Motorola (Moto X) já tinha uma funcionalidade semelhante, mas para o assistente do Android, o “Google Now. O próprio assistente da Google já o permite, sendo possível programá-lo para reagir à frase “Ok Google”.

10. Teclados desenvolvidos por terceiros

Tal como no caso dos widgets, os aparelhos da Apple só passaram a suportar a instalação de novos teclados no ano passado — como o Swipe ou o Swift Key. Porém, nessa altura, os utilizadores de Android há muito que estavam familiarizados com o conceito.

11. Notificações interativas

Em 2012, com a chegada do Android Jelly Bean — a versão 4.1 do sistema operativo da Google — passou a ser possível interagir com certas notificações como, por exemplo, responder a mensagens sem sequer abrir a aplicação. Alguns alertas permitem mesmo executar tarefas dentro da própria app, como partilhar determinado conteúdo ou guardar para ler mais tarde. A Apple decidiu incluir esta funcionalidade no iOS 8, lançado no ano passado.

A adaptação às exigências dos consumidores é cada vez mais essencial. (Getty Images)

O braço de ferro entre as gigantes tecnológicas — neste caso, entre a Google e a Apple — tem ficado cada vez mais intenso ao longo dos tempos. Portanto, não é de estranhar que ambas se vejam obrigadas a “copiar” o melhor uma da outra.

A Business Insider adianta ainda que isto não é necessariamente mau. “Mostra que a Apple está disposta a adaptar-se às exigências dos clientes”, acrescenta o site.