Facebook

Facebook lança óculos de realidade virtual sem fios

No F8, a conferência anual do Facebook, a empresa de Mark Zuckerberg lançou os Oculus Go, um dispositivo sem fios que quer levar a realidade virtual a todas as pessoas.

Os Oculus Go são um modelo mais acessível dos Oculus Rift, um dispositivo topo de gama que se liga a um computador e que criou o atual mercado de realidade virtual doméstica

MANUEL PESTANA MACHADO/OBSERVADOR

“O nosso objetivo é criar uma experiência em seja possível falar com alguém como se estivesse na mesma sala, mesmo que esteja no outro lado do mundo”, disse Mark Zuckerberg, presidente executivo do Facebook, ao anunciar que, a partir desta terça-feira, os Oculus Go, uns novos óculos de realidade virtual móveis e sem fios, foram lançados no mercado. São mais pequenos, (bem) mais baratos e mais cómodos que os Oculus Rift, o dispositivo que a empresa de Menlo Park adquiriu por 1,6 milhões de euros em 2016.

Acreditamos que este dispositivo é muito acessível. Para quem quiser experimentar realidade virtual é a experiência mais fácil: não há fios, computadores ou smartphones para configurar”, explicou Madhu Muthukumar ao Observador, gestor de produto do Oculus Go.

O nome “Go” simboliza as grandes novidades neste dispositivo: a ausência de fios e ter uma bateria própria. Com versões de 32 e 64gb, estes Oculus têm bateria até duas horas e permitem, num ambiente virtual, ver filmes, jogar videojogos e, com avatares, falar com amigos que estejam noutras partes do mundo. Não são o primeiro equipamento com estas funções, mas são os primeiros óculos de realidade virtual com ecrã incorporado e sem fios a chegar ao grande mercado com acesso rápido centenas de aplicações próprias. Por esta razão, podem ser um passo decisivo no crescimento desta indústria.

Um dos Oculus Go no F8 para experimentação. No meio é possível ver o controlo remoto do dispositivo, que funciona por bluetooth. À esquerda estão uns headphones com fios que se podem ligar por cabo jack ao dispositivo para uma experiência mais imersiva (quem não quiser utilizar headphones pode ouvir o som a partir do próprio dispositivo)

Os Go permitem o acesso a mais de mil aplicações, desde ver filmes e séries com o Netflix ou o Hulu, ler notícias em realidade virtual com o The New York Times. Algumas aplicações são iguais às já disponíveis no Oculus Rift, como o jogo Catan VR, no entanto, por não terem a capacidade de processamento do Rift, a loja de aplicações é semelhante à dos Samsung Gear VR. Segundo o Facebook, só devem ser utilizados por pessoas com idades superiores a 13 anos.

A realidade virtual é uma das grandes apostas no Facebook, no entanto, o grande desafio continua a ser o preço. Mesmo sendo mais “acessíveis economicamente”, como afirma Muthukumar, com um preço recomendado de 219 euros na Europa, continua a ser um dispositivo que vai pesar numa carteira. Sobre isso, o responsável da Oculus explica que os Go “são um meio termo” entre o equipamento topo de gama que vendem e o Samsung Gear VR, um acessório para smartphones se tornarem em dispositivos de realidade virtual desenvolvido em parceria com a Oculus.

Dois visitantes do F8 2018 jogam em conjunto um jogo em realidade virtual

Quanto aos riscos de este equipamento ser um incentivo para as pessoas se isolarem em mundos virtuais, o responsável da empresa deixa uma recomendação: “Temos de ser cautelosos”. No entanto, justifica que é por esse cuidado que ” por isso é que o foco das apps é juntar pessoas”. A maioria das aplicações tem uma vertente social, ao ligar as pessoas pela Internet (um dos exemplos é poder-se ver um jogo desportivo em realidade virtual com um amigo “ao lado”, só que o amigo está, na realidade, numa casa diferente.

Quem já experimentou experiências de realidade virtual com acessórios para telemóveis vai encontrar claras melhorias neste produto. Contudo, continua a ter limitações associadas a estes dispositivos. O ângulo de visão ainda é reduzido e, para quem tem óculos, apesar de ser possível utilizar sem os tirar, continua a ser um fator que retira conforto à experiência. Quanto a isso, o responsável da Oculus assume que a tecnologia ainda tem por onde evoluir: “Precisam de ser mais pequenos”. Mesmo assim, a Oculus permite, por um preço extra, comprar lentes graduadas especiais para se utilizar com este dispositivo.

Os Oculus Go estão disponíveis em Portugal a partir do site oficial do Oculus. Chegam a um mercado onde não têm um claro concorrente direto, estando o Google Daydream a concorrer com o Gear VR e os mais caros, Oculus Rift, a competir com os HTC Vive (também da Google). Segundo especialistas, estes produtos com ecrã próprio e sem fios vão massificar a utilização de capacetes de realidade virtual.

*O Observador está no F8, em São José, na Califórnia, a convite do Facebook

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)