Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No Japão, chegar aos 100 anos de idade significava receber um cheque no valor de  8,000 yen (cerca de 58 euros). Contudo, o aumento da esperança média de vida no país significa que a tradição secular chega ao fim. Em 2015, o governo japonês vai deixar de oferecer um prémio monetário aos seus cidadãos centenários, alegando que o número de pessoas a completar um século começa a ser um fardo na economia do país.

Desde 1950 que o Japão é conhecido pela longevidade da sua população e lidera nos rankings de maior esperança de vida no mundo. Em 2014, o país gastou cerca de 18 mil euros nas comemorações do Dia do Respeito ao Idoso, o feriado nacional que celebra a população sénior. Além do imenso valor que os japoneses dão à sua população idosa, os habitantes também adoram oferecer presentes. O hábito está profundamente enraizado na cultura, sendo visto como um dever social. Por este motivo, o governo assegura que a recente decisão não significa que os centenários passem a ser ignorados . A tradição de presentear os idosos irá manter-se, mas segundo o The Japan Times o governo vai arranjar um presente simbólico para substituir o valor monetário.

Esperança Média de Vida à Nascença – Anos (Relatório de 2014 da OMS)
Sexo Masculino Sexo Feminino
1 Islândia 81 1 Japão 87
2 Suíça 80 2 Espanha 85
3 Austrália 80 3 Suíça 85
4 Israel 80 4 Singapura 85
5 Singapura 80 5 Itália 85
6 Nova Zelândia 80 6 França 84
7 Itália 80 7 Austrália 84
8 Japão 80 8 República da Coreia 84
9 Suécia 80 9 Luxemburgo 84
10 Luxemburgo 79 10 Portugal 84

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Um problema maior 

O fim da tradição de dar prendas não é o único problema da longevidade japonesa. O envelhecimento da população e a diminuição da taxa de natalidade, levam os muitos cidadãos em idade de reforma a terem de ser suportados por uma população ativa cada vez mais pequena.

Para o Japão, encorajar a imigração não é solução. Com apenas 2% de estrangeiros, o país continua sem querer abrir as suas portas para resolver o problema da baixa percentagem de população ativa. O primeiro ministro japonês, Shinzo Abe, acredita que encorajar mais mulheres a juntar-se ao mercado de trabalho é a melhor hipótese. Isto pode ser positivo para a nação que tem uma das maiores taxas de desigualdade de género no mundo, com muitas mulheres a deixarem os seus empregos para casar ou começar uma família.

Até 2018, estima-se que cerca de 38 mil japoneses completem um século de idade. A cerimónia anual dos seniores japoneses terá lugar a 15 de setembro.

Texto editado por Rita Ferreira