Nélson Oliveira venceu esta sexta-feira a 13ª etapa da Volta a Espanha, que ligava Catalyud a Tarazona. O ciclista português de 26 anos cortou a meta isolado, vencendo assim a sua primeira etapa numa das grandes voltas de ciclismo.

O bicampeão nacional de contra-relógio, que corre pela equipa italiana Lampre-Merida, já havia dado bons sinais nesta edição da Vuelta. Na etapa rainha dos Pirinéus, Nélson Oliveira tinha tentado a vitória na etapa, tendo-se ficado pela 11ª posição, a pouco mais de 3 minutos do vencedor. No rescaldo dessa etapa, Nélson Oliveira apontava a sua recente evolução como trepador, e afirmava que se “sentia bem” fisicamente.

Desta feita, após uma fuga bem sucedida, Nélson Oliveira conseguiu mesmo vencer. O ciclista português fez uso das suas capacidades de contra-relogista numa fuga a solo, conseguindo dessa forma manter os seus perseguidores à distância.

Nélson Oliveira cumpriu a etapa, de 178 quilómetros, em 4h14m01s. Este é, até ao momento, o melhor resultado internacional do ciclista português.

O ciclista luso tornou-se assim no sétimo português a vencer uma etapa na Volta a Espanha em bicicleta. O último triunfo português em solo espanhol foi de Sérgio Paulinho, em 2006.

Na altura, 30 anos depois, Paulinho sucedeu a Joaquim Agostinho, que obteve três triunfos (dois em 1974 e um em 1976). Os restantes êxitos pertenceram a João Lourenço (1946), a João Rebelo (1945), que obteve duas vitórias, a Alves Barbosa (1961) e a José Sousa Cardoso (1959).

Agostinho havia vencido a sexta tirada em 1976, um contrarrelógio individual em Cartagena, alcançando então a liderança da prova. O seu melhor resultado na ‘Vuelta’ foi, contudo, o segundo posto da classificação geral, conseguido dois anos antes.

A edição deste ano da Volta à Espanha contou com a presença de seis portugueses. O número diminuiu no decurso da 11ª etapa, devido à colisão de Sérgio Paulinho com uma mota, que levou o português a ter abandonar a prova.