Rádio Observador

Exploração Espacial

Marte: a casa que receberá astronautas por 6 meses

104

A NASA planeia a primeira viagem tripulada a Marte em 2030, e conta que os astronautas vivam neste planeta durante 6 meses. O modelo da "habitação" em que viverão vai agora começar a ser criado.

Viver em Marte durante 6 meses será um desafio para os especialistas da NASA

NASA/JPL-Caltech/MSSS

A NASA fará a sua primeira viagem tripulada a Marte em 2030 e conta ter especialistas a viver no planeta durante seis meses, segundo noticia a BBC. A viagem até este planeta, que fica em média a 80 milhões de quilómetros da Terra, demorará um ano a ser feita.

Para esta viagem, o engenheiro espacial argentino Pablo de Léon, especialista na criação de fatos espaciais, acaba de ganhar um concurso organizado pela NASA. O concurso destinava-se à criação de um protótipo da habitação em que os astronautas irão viver enquanto estiverem nesse planeta.

A habitação, que está a ser desenhada no Laboratório de Voos Espaciais Humanos da Universidade de Dakota do Norte (Estados Unidos), “terá quatro cabines independentes com portas, para que os astronautas tenham privacidade, uma cozinha, uma mesa com cadeiras para estes jantarem ou se reunirem, uma casa de banho com chuveiro e uma área científia e de recriação”, conta Pablo de Léon à BBC.

Apesar disso, as semelhanças exteriores com uma casa são mínimas, já que o espaço será mais parecido com um conjunto de tubos insufláveis do que com uma vivenda normal. Os acabamentos, por sua vez, serão desmontáveis, e começarão a ser transportados a partir de 2013, em viagens não tripuladas que a agência organizará.

Os espaços interiores da habitação serão relativamente grandes, e esta terá ainda uma estufa com um solo especial com nutrientes e fertilizantes e com luzes LED, que permitirá aos austronautas produzir plantas que desejem incorporar na sua alimentação em Marte.

Por ora, a NASA vai treinando os seus especialistas que visitarão este planeta, onde os esperam grandes desafios. Um deles é o clima, que, devido à pouca espessura da atmosfera deste planeta, oscila entre temperaturas tão diferentes quanto os 30ºC e os -150ºC.

Viver com temperaturas negativas extremas será um desafio, e as providências estão a ser tomadas: o pano que envolve a habitação será feito com o mesmo material dos fatos espaciais, e o ambiente será oxigenado e climatizado. Isto não só permite que os astronautas resistam à temperatura exterior como também que não tenham de utilizar esses fatos no interior da habitação.

A viagem terá vários objetivos. Um deles é averiguar se existe ou existiu vida em Marte, até porque, segundo Pablo de Léon, “no passado Marte chegou a ter muita água na sua superfície, uma atmosfera densa e abundante e um clima mais ameno”. O outro é perceber como é que Marte se transformou no planeta que é: o conhecimento pode ser importante para perceber os efeitos que as mudanças climatéricas poderão ter no planeta Terra.

Por último, e é talvez a razão mais importante, a NASA pretende ainda perceber até que ponto será ou não possível que no futuro os humanos possam viver em Marte. Isto porque, segundo Pablo de León, os outros planetas que se têm vindo a descobrir, e que têm características mais similares ao planeta Terra, estão a uma distância tão grande que, afirma, é “impossível lá chegarmos”.

Em Agosto do ano passado a empresa aeroespacial SpaceX revelou o seu desejo de levar pessoas privadas para Marte em 2024, seis anos antes da data prevista para a primeira estadia de astronautas no planeta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)