Ciência

A SpaceX quer transportar pessoas para Marte em 2024

A SpaceX é a primeira empresa privada que diz ser capaz de levar pessoas a Marte daqui a dez anos. Cada bilhete custará meio milhão de dólares.

spacex.com/media-gallery

A SpaceX quer que em 2100 as viagens interplanetárias sejam uma rotina. Mas o primeiro objetivo é enviar pessoas a Marte daqui a dez anos. As declarações foram feitas a semana passada por Gwynne Shotwell, a presidente da companhia aeroespacial sediada na Califórnia. “Pode parecer estranho, mas na minha perspetiva, é um risco que temos de correr para garantir que os seres humanos serão capazes de sair do planeta Terra caso aconteça um grande desastre”, afirmou à Marketplace Radio.

A SpaceX é uma empresa aeroespacial criada pelo multimilionário Elon Musk, cofundador da PayPal e dono da empresa de carros elétricos Tesla. É um inventor e magnata que tem uma fortuna (9,5 mil milhões de dólares, diz a Forbes) só ultrapassada pela ambição: quer ter pessoas a morar em Marte na viragem do próximo século. Começarão por ser uma dezena, mas o objetivo a longo prazo será estabelecer uma colónia com 80 mil pessoas.

Em 2006 a SpaceX estabeleceu um contrato com a NASA no âmbito do programa CTOS (Comercial Orbital Transportation Services) e foi a primeira empresa privada a reabastecer a Estação Espacial Internacional (maio de 2012). Foi também a primeira a colocar um satélite em órbita geoestacionária e tem já dezenas de contratos firmados para colocar mais satélites no espaço. A empresa concentra-se na produção de engenhos reutilizáveis, a única forma de tornar as missões espaciais comercialmente viáveis. Parece ficção científica mas os planos parecem realistas, a avaliar pelos testes bem-sucedidos já realizados. O foguetão Falcon 9 (que usa como combustível uma mistura de oxigénio líquido e RP-1) já foi capaz de levantar e depois aterrar, na vertical, com aceleração-zero, ou seja, sem provocar danos na sua estrutura.

Estes testes foram efetuados no oceano, com a SpaceX a pôr a hipótese de construir uma estrutura flutuante para a aterragem e transporte dos foguetões. Também nos planos está a construção de mais plataformas terrestres para assegurar várias dezenas de lançamentos por ano e prevenir os riscos que se fazem sentir, por exemplo, no Cabo Canaveral na Florida, onde o tempo instável obriga com frequência ao adiamento das missões. O próximo lançamento será ao princípio desta manhã (6h30): o foguetão Falcon 9 transportará o AsiaSat 8, satélite geoestacionário propriedade da empresa de telecomunicações sediada em Hong Kong. É o penúltimo de uma rede já estabelecida que cobre a Europa, Médio Oriente e Ásia. Pode acompanhar o lançamento aqui com imagens em direto do Cabo Canaveral. Em 2016 será posto em órbita o AsiaSat 9 (último da “série” e que substituirá o 4), dedicado às telecomunicações e análise meteorológica.

A SpaceX pretende ter os primeiros passageiros num passeio orbital nos próximos cinco anos e, daqui a dez, levar as primeiras pessoas a Marte. O objetivo a longo prazo é tornar as viagens interplanetárias uma prática comum. E são as empresas privadas que estão a trabalhar nisso; a Mars One é outro exemplo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Natureza

Naturalmente

Ricardo Mendes Ribeiro

A natureza é resiliente, capaz de adaptar-se às asneiras que fazemos. O que não muda são as suas leis. Por isso, as tentativas de redefinir o ser humano mais tarde ou mais cedo chocam com a realidade

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)