Rádio Observador

Ciência

A SpaceX quer transportar pessoas para Marte em 2024

A SpaceX é a primeira empresa privada que diz ser capaz de levar pessoas a Marte daqui a dez anos. Cada bilhete custará meio milhão de dólares.

spacex.com/media-gallery

A SpaceX quer que em 2100 as viagens interplanetárias sejam uma rotina. Mas o primeiro objetivo é enviar pessoas a Marte daqui a dez anos. As declarações foram feitas a semana passada por Gwynne Shotwell, a presidente da companhia aeroespacial sediada na Califórnia. “Pode parecer estranho, mas na minha perspetiva, é um risco que temos de correr para garantir que os seres humanos serão capazes de sair do planeta Terra caso aconteça um grande desastre”, afirmou à Marketplace Radio.

A SpaceX é uma empresa aeroespacial criada pelo multimilionário Elon Musk, cofundador da PayPal e dono da empresa de carros elétricos Tesla. É um inventor e magnata que tem uma fortuna (9,5 mil milhões de dólares, diz a Forbes) só ultrapassada pela ambição: quer ter pessoas a morar em Marte na viragem do próximo século. Começarão por ser uma dezena, mas o objetivo a longo prazo será estabelecer uma colónia com 80 mil pessoas.

Em 2006 a SpaceX estabeleceu um contrato com a NASA no âmbito do programa CTOS (Comercial Orbital Transportation Services) e foi a primeira empresa privada a reabastecer a Estação Espacial Internacional (maio de 2012). Foi também a primeira a colocar um satélite em órbita geoestacionária e tem já dezenas de contratos firmados para colocar mais satélites no espaço. A empresa concentra-se na produção de engenhos reutilizáveis, a única forma de tornar as missões espaciais comercialmente viáveis. Parece ficção científica mas os planos parecem realistas, a avaliar pelos testes bem-sucedidos já realizados. O foguetão Falcon 9 (que usa como combustível uma mistura de oxigénio líquido e RP-1) já foi capaz de levantar e depois aterrar, na vertical, com aceleração-zero, ou seja, sem provocar danos na sua estrutura.

Estes testes foram efetuados no oceano, com a SpaceX a pôr a hipótese de construir uma estrutura flutuante para a aterragem e transporte dos foguetões. Também nos planos está a construção de mais plataformas terrestres para assegurar várias dezenas de lançamentos por ano e prevenir os riscos que se fazem sentir, por exemplo, no Cabo Canaveral na Florida, onde o tempo instável obriga com frequência ao adiamento das missões. O próximo lançamento será ao princípio desta manhã (6h30): o foguetão Falcon 9 transportará o AsiaSat 8, satélite geoestacionário propriedade da empresa de telecomunicações sediada em Hong Kong. É o penúltimo de uma rede já estabelecida que cobre a Europa, Médio Oriente e Ásia. Pode acompanhar o lançamento aqui com imagens em direto do Cabo Canaveral. Em 2016 será posto em órbita o AsiaSat 9 (último da “série” e que substituirá o 4), dedicado às telecomunicações e análise meteorológica.

A SpaceX pretende ter os primeiros passageiros num passeio orbital nos próximos cinco anos e, daqui a dez, levar as primeiras pessoas a Marte. O objetivo a longo prazo é tornar as viagens interplanetárias uma prática comum. E são as empresas privadas que estão a trabalhar nisso; a Mars One é outro exemplo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)