Legislativas 2015

AR faz “pequenas obras” para receber deputado paraplégico

181

Novo deputado bloquista que é paraplégico esteve esta tarde no Parlamento para testar os acessos ao seu novo local de trabalho. É preciso "pequenas obras" no plenário e no acesso à tribuna.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Jorge Falcato, o recém-eleito deputado do Bloco de Esquerda que se desloca numa cadeira de rodas, esteve esta tarde em São Bento numa visita organizada pelos serviços da Assembleia da República para testar as acessibilidades e funcionalidades do local. Além dos acessos aos vários locais dos edifícios velho e novo, a visita incluiu testes à altura dos serviços de atendimento ao público. Os problemas maiores são no local onde se vai sentar no hemiciclo e no acesso à tribuna. “Serão feitas pequenas obras de adaptação”, garante ao Observador a secretaria-geral da Assembleia.

Segundo confirmou o Observador junto da secretaria-geral da Assembleia, o deputado bloquista que foi eleito no passado domingo e que está paraplégico desde 1978 irá sentar-se num dos locais que são atribuídos ao grupo parlamentar do BE, à esquerda do hemiciclo, mas terão de ser feitas “pequenas obras de adaptação” para que a sua cadeira possa entrar num desses “lugares laterais”.

Além da permanência da cadeira-de-rodas num dos lugares do hemiciclo, outro dos problemas identificados pelo próprio é o acesso à tribuna, onde os deputados fazem intervenções mais longas ou declarações políticas de frente para o resto do plenário. Nesse caso, “pela impossibilidade de utilização de rampas num espaço tão diminuto”, os serviços da Assembleia dizem que estão a estudar a colocação de um “sistema de plataforma de elevação angular integrada” para permitir esse acesso.

“Foram ouvidas as suas sugestões quer relativamente a rampas de acesso, quer relativamente à altura de determinados utensílios de serviço ao público, e foram testados os meios de acesso ao parque de estacionamento bem como os de passagem entre edifícios, para além das entradas na cafetaria, cantina e correios”, acrescenta a secretaria-geral da AR.

No início da semana, contudo, quando questionada pelo Observador sobre a mesma situação, a secretaria-geral tinha sublinhado que desde 1997 que a Assembleia da República tem vindo a adaptar o seu edifício principal com vista ao cumprimento da legislação em vigor sobre acessibilidades de pessoas com mobilidade reduzida, tendo para isso instalado “duas rampas de acesso ao edifício”, “instalações sanitárias”, “rampas de madeira amovíveis para acesso aos Passos Perdidos e para a entrada, junto ao refeitório”, assim como espaço para “quatro cadeiras de rodas” nas galerias do plenário.

“O acesso ao Plenário, salas do grupo parlamentar, salas de comissões e zonas sociais está garantido”, respondeu na altura ao Observador.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

PSD

São brancos, que se entendam /premium

Paulo Tunhas

Ninguém percebe qual é a partitura do PSD e qual a sinfonia que Rio ou Montenegro vão tocar, algo imprescindível para uma pessoa decidir se vai ou não ao concerto. Pode ser tudo e mais alguma coisa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)