O MRPP sobe o tom das críticas à formação de um Governo à esquerda entre PS, PCP e Bloco de Esquerda, mas por razões diferentes das que têm sido apontadas até aqui. O partido, que teve quase 60 mil votos nestas eleições, questiona como é que Bloco de Esquerda e PCP podem apoiar um partido como o PS que será um “governo da Tróica e do capital alemão”, apelidando os dois partidos de “oportunistas“. Esta força política avisa mesmo os seus militantes que com as centrais sindicais ao lado de um novo Governo, os trabalhadores terão de lutar “contra todos os sindicatos oportunistas uma luta de morte”.

Depois do lema “morte aos traidores” no cartaz do partido, o MRPP volta a subir o tom de acusações às restantes forças partidárias e agora dedica o editorial do “Luta Popular”, jornal oficial do PCPT-MRPP, a críticas ao Bloco de Esquerda e PCP. O partido acusa o PCP, que considera ser “um partido revisionista e social-fascista”, e o Bloco de Esquerda, que apelida de ser um “bloco da classe média urbana”, de serem oportunistas e juntarem-se a António Costa no Governo. “O revisionista e social-fascista Jerónimo, com a canalha dirigente do PCP, atracam-se a António Costa e empurram-no para a formação de um governo do PS, garantindo-lhe o apoio parlamentar do PCP e do Bloco dito de Esquerda”, escreveu Arnaldo Matos, histórico do PCTP-MRPP.

Sobre a situação política em Portugal, o MRPP utiliza linguagem pouco usual para a caracterizar, nomeadamente quando alega que nenhum dos partidos que se propõe a formar uma maioria – PS, BE e PCP – são de esquerda. “Política de esquerda esta? Isto não é política de esquerda. Isto é tudo um putedo!”, pode ler-se no editorial que está disponível no site da “Luta Popular”.

“Qualquer que seja o governo que saia da Assembleia da República eleita no sufrágio do último domingo, seja da coligação Coelho/Portas, seja o do arco governativo Coelho/Portas e Costa, seja o governo de Costa com o apoio direto ou apenas parlamentar dos revisionistas do PCP ou das meninas oportunistas do Bloco, qualquer desses três governos é um governo da Europa Alemã, do capital germânico, da Troica, de Ângel Merkel e de Schäuble, mas nunca um governo do povo português, nunca um governo ao serviço da classe operária e dos trabalhadores”, escreveu Arnaldo Matos.

Este editorial avisa ainda os militantes do partido e os trabalhadores em geral a prepararem-se para a luta. “Quanto à luta sindical, com as duas centrais (UGT e CGTP) a apoiar a política de austeridade e terrorismo do mesmo governo, terão os trabalhadores de travar contra todos os sindicatos oportunistas uma luta de morte. O apoio do PCP e do Bloco a um governo do PS e de Costa vai significar a política da Tróica com apoio do PCP e do Bloco. Uma coisa que os leitores julgariam impossível”, pode ler-se no editorial.

Arnaldo Matos é o único dos fundadores vivos do PCTP-MRPP, tendo sido preso depois do 25 de abril pelo COPCON. É nessa altura que, preso em Caxias e em greve de fome, nasce o mito do «grande educador da classe operária». Abandona o MRPP, desiludido, em 1982.

Em entrevista ao DN, em 2005, dizia que o papel do MRPP no 25 de abril foi o de um “pequeno partido marxista-leninista: denunciar o revisionismo e o oportunismo, organizar a classe operária e mobilizar o povo para as tarefas da Revolução. Por isso, foi sempre visto como o figadal inimigo do MFA, do PCP, do PS, do PPD, do CDS e da UDP e de todos quantos apareceram para se instalar no poder e ainda lá estão instalados”.