Rádio Observador

Legislativas 2015

Arnaldo Matos, fundador do PCTP/MRPP sobre esquerda unida: “Isto é tudo um putedo!”

14.160

Num editorial do "Luta Popular", o fundador do MRPP condena Bloco de Esquerda e PCP por virem a integrar um Governo "da troika e do capital alemão do PS".

Arnaldo Matos no meio de Garcia Pereira e Vasco Lourenço num colóquio sobre os 40 anos do 25 de abril

Vítor Rios

Autores
  • Catarina Falcão
  • Helena Pereira

O MRPP sobe o tom das críticas à formação de um Governo à esquerda entre PS, PCP e Bloco de Esquerda, mas por razões diferentes das que têm sido apontadas até aqui. O partido, que teve quase 60 mil votos nestas eleições, questiona como é que Bloco de Esquerda e PCP podem apoiar um partido como o PS que será um “governo da Tróica e do capital alemão”, apelidando os dois partidos de “oportunistas“. Esta força política avisa mesmo os seus militantes que com as centrais sindicais ao lado de um novo Governo, os trabalhadores terão de lutar “contra todos os sindicatos oportunistas uma luta de morte”.

Depois do lema “morte aos traidores” no cartaz do partido, o MRPP volta a subir o tom de acusações às restantes forças partidárias e agora dedica o editorial do “Luta Popular”, jornal oficial do PCPT-MRPP, a críticas ao Bloco de Esquerda e PCP. O partido acusa o PCP, que considera ser “um partido revisionista e social-fascista”, e o Bloco de Esquerda, que apelida de ser um “bloco da classe média urbana”, de serem oportunistas e juntarem-se a António Costa no Governo. “O revisionista e social-fascista Jerónimo, com a canalha dirigente do PCP, atracam-se a António Costa e empurram-no para a formação de um governo do PS, garantindo-lhe o apoio parlamentar do PCP e do Bloco dito de Esquerda”, escreveu Arnaldo Matos, histórico do PCTP-MRPP.

Sobre a situação política em Portugal, o MRPP utiliza linguagem pouco usual para a caracterizar, nomeadamente quando alega que nenhum dos partidos que se propõe a formar uma maioria – PS, BE e PCP – são de esquerda. “Política de esquerda esta? Isto não é política de esquerda. Isto é tudo um putedo!”, pode ler-se no editorial que está disponível no site da “Luta Popular”.

Qualquer que seja o governo que saia da Assembleia da República eleita no sufrágio do último domingo, seja da coligação Coelho/Portas, seja o do arco governativo Coelho/Portas e Costa, seja o governo de Costa com o apoio direto ou apenas parlamentar dos revisionistas do PCP ou das meninas oportunistas do Bloco, qualquer desses três governos é um governo da Europa Alemã, do capital germânico, da Troica, de Ângel Merkel e de Schäuble, mas nunca um governo do povo português, nunca um governo ao serviço da classe operária e dos trabalhadores”, escreveu Arnaldo Matos.

Este editorial avisa ainda os militantes do partido e os trabalhadores em geral a prepararem-se para a luta. “Quanto à luta sindical, com as duas centrais (UGT e CGTP) a apoiar a política de austeridade e terrorismo do mesmo governo, terão os trabalhadores de travar contra todos os sindicatos oportunistas uma luta de morte. O apoio do PCP e do Bloco a um governo do PS e de Costa vai significar a política da Tróica com apoio do PCP e do Bloco. Uma coisa que os leitores julgariam impossível”, pode ler-se no editorial.

Arnaldo Matos é o único dos fundadores vivos do PCTP-MRPP, tendo sido preso depois do 25 de abril pelo COPCON. É nessa altura que, preso em Caxias e em greve de fome, nasce o mito do «grande educador da classe operária». Abandona o MRPP, desiludido, em 1982.

Em entrevista ao DN, em 2005, dizia que o papel do MRPP no 25 de abril foi o de um “pequeno partido marxista-leninista: denunciar o revisionismo e o oportunismo, organizar a classe operária e mobilizar o povo para as tarefas da Revolução. Por isso, foi sempre visto como o figadal inimigo do MFA, do PCP, do PS, do PPD, do CDS e da UDP e de todos quantos apareceram para se instalar no poder e ainda lá estão instalados”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

António Costa

Prioridades à la carte /premium

Alexandre Homem Cristo
386

Capaz de prometer tudo e o seu contrário, este PS de 2019, embriagado pela hipótese de uma maioria absoluta, não é diferente daquele PS de 2009, cuja soberba atirou um país para o abismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)