Legislativas 2015

Arnaldo Matos, fundador do PCTP/MRPP sobre esquerda unida: “Isto é tudo um putedo!”

14.160

Num editorial do "Luta Popular", o fundador do MRPP condena Bloco de Esquerda e PCP por virem a integrar um Governo "da troika e do capital alemão do PS".

Arnaldo Matos no meio de Garcia Pereira e Vasco Lourenço num colóquio sobre os 40 anos do 25 de abril

Vítor Rios

Autores
  • Catarina Falcão
  • Helena Pereira

O MRPP sobe o tom das críticas à formação de um Governo à esquerda entre PS, PCP e Bloco de Esquerda, mas por razões diferentes das que têm sido apontadas até aqui. O partido, que teve quase 60 mil votos nestas eleições, questiona como é que Bloco de Esquerda e PCP podem apoiar um partido como o PS que será um “governo da Tróica e do capital alemão”, apelidando os dois partidos de “oportunistas“. Esta força política avisa mesmo os seus militantes que com as centrais sindicais ao lado de um novo Governo, os trabalhadores terão de lutar “contra todos os sindicatos oportunistas uma luta de morte”.

Depois do lema “morte aos traidores” no cartaz do partido, o MRPP volta a subir o tom de acusações às restantes forças partidárias e agora dedica o editorial do “Luta Popular”, jornal oficial do PCPT-MRPP, a críticas ao Bloco de Esquerda e PCP. O partido acusa o PCP, que considera ser “um partido revisionista e social-fascista”, e o Bloco de Esquerda, que apelida de ser um “bloco da classe média urbana”, de serem oportunistas e juntarem-se a António Costa no Governo. “O revisionista e social-fascista Jerónimo, com a canalha dirigente do PCP, atracam-se a António Costa e empurram-no para a formação de um governo do PS, garantindo-lhe o apoio parlamentar do PCP e do Bloco dito de Esquerda”, escreveu Arnaldo Matos, histórico do PCTP-MRPP.

Sobre a situação política em Portugal, o MRPP utiliza linguagem pouco usual para a caracterizar, nomeadamente quando alega que nenhum dos partidos que se propõe a formar uma maioria – PS, BE e PCP – são de esquerda. “Política de esquerda esta? Isto não é política de esquerda. Isto é tudo um putedo!”, pode ler-se no editorial que está disponível no site da “Luta Popular”.

Qualquer que seja o governo que saia da Assembleia da República eleita no sufrágio do último domingo, seja da coligação Coelho/Portas, seja o do arco governativo Coelho/Portas e Costa, seja o governo de Costa com o apoio direto ou apenas parlamentar dos revisionistas do PCP ou das meninas oportunistas do Bloco, qualquer desses três governos é um governo da Europa Alemã, do capital germânico, da Troica, de Ângel Merkel e de Schäuble, mas nunca um governo do povo português, nunca um governo ao serviço da classe operária e dos trabalhadores”, escreveu Arnaldo Matos.

Este editorial avisa ainda os militantes do partido e os trabalhadores em geral a prepararem-se para a luta. “Quanto à luta sindical, com as duas centrais (UGT e CGTP) a apoiar a política de austeridade e terrorismo do mesmo governo, terão os trabalhadores de travar contra todos os sindicatos oportunistas uma luta de morte. O apoio do PCP e do Bloco a um governo do PS e de Costa vai significar a política da Tróica com apoio do PCP e do Bloco. Uma coisa que os leitores julgariam impossível”, pode ler-se no editorial.

Arnaldo Matos é o único dos fundadores vivos do PCTP-MRPP, tendo sido preso depois do 25 de abril pelo COPCON. É nessa altura que, preso em Caxias e em greve de fome, nasce o mito do «grande educador da classe operária». Abandona o MRPP, desiludido, em 1982.

Em entrevista ao DN, em 2005, dizia que o papel do MRPP no 25 de abril foi o de um “pequeno partido marxista-leninista: denunciar o revisionismo e o oportunismo, organizar a classe operária e mobilizar o povo para as tarefas da Revolução. Por isso, foi sempre visto como o figadal inimigo do MFA, do PCP, do PS, do PPD, do CDS e da UDP e de todos quantos apareceram para se instalar no poder e ainda lá estão instalados”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)