FIFA

Platini explica os 1,8 milhões de euros que recebeu de Blatter. “Foi um acordo de cavalheiros”

140

Michel Platini afirma que os 1,8 milhões de euros que recebeu de Joseph Blattere, em 2011, resultaram de um "acordo de cavalheiros", firmado em 1998, em Singapura.

Philipp Schmidli/Getty Images

Depois de Blatter, agora foi a vez de Michel Platini vir dizer que a verba de 1,8 milhões de euros que recebeu do presidente da FIFA resultou de “um acordo de cavalheiros” e, por isso, não há um contrato escrito a comprovar a origem do pagamento.

Em entrevista ao Le Monde, Platini disse que o acordo foi feito em Singapura em 1998, quando Blatter o convidou para ser seu conselheiro de futebol e lhe perguntou quanto queria ganhar. Platini recordou a conversa de então: “‘Quanto queres? – perguntou-me ele. E eu respondi: ‘Um milhão’. ‘De quê?’. ‘Do que tu quiseres’. Naquela época ainda não havia euro. E ele respondeu ‘ok, um milhão de francos suíços por ano'”.

Porém, passados uns meses de trabalho, sem qualquer pagamento, Platini diz que questionou Blatter sobre os salários em atraso e foi então que o presidente da FIFA lhe respondeu que, em francos suíços, o valor acordado triplicava o salário do secretário-geral da FIFA, pelo que teria de baixá-lo para 300 mil francos suíços (270 mil euros) por ano e que lhe pagaria mais tarde o restante até perfazer o milhão por ano.

Platini foi conselheiro entre 1998 e 2002, mas só em 2011 contactou a FIFA para cobrar o dinheiro em dívida. E, na altura, conta, enganou-se em seu prejuízo e fez as contas como se tivesse ganho 500 mil francos por ano, ao invés dos 300 mil. Por isso pediu 500 mil francos por cada um dos quatro anos que lá trabalhou e enviou uma fatura no valor de 2 milhões de francos, ou seja, 1,8 milhões de euros, que foi paga 10 dias depois. Platini garante que pagou todos os impostos sobre o montante. Mas esses 1,8 milhões estão agora a ser investigados.

Já na sexta-feira, Joseph Blatter, presidente demissionário da FIFA também suspenso pelo Comité de Ética do organismo, tinha dito, em entrevista a um canal de televisão suíço RROTV que o pagamento de 1,8 milhões de euros a Michel Platini “foi um acordo de cavalheiros”.

No passado dia 8 de outubro, Platini foi suspenso por 90 dias pelo Comité de Ética da FIFA, assim como o presidente e o secretário-geral do organismo regulador do futebol mundial, o suíço Joseph Blatter e o francês Jérôme Valcke, por implicação no escândalo de corrupção que atingiu a instituição.

A 25 de setembro, o Ministério Público suíço instaurou um processo criminal a Blatter, que foi interrogado na qualidade de arguido, por suspeita de gestão danosa, apropriação indevida de fundos e abuso de confiança. Platini foi ouvido na qualidade de testemunha e acabou por ser implicado no processo, por ter recebido de Blatter um pagamento ilegal, feito “em prejuízo da FIFA”, no valor de dois milhões de francos suíços (perto de 1,8 milhões de euros).

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desrespeito como forma de governar /premium

André Abrantes Amaral

Costa desvaloriza os factos, desconsidera e desrespeita as pessoas porque dessa forma se desresponsabiliza. Tal é possível porque o PS estagnou, não só a economia, mas também a essência da democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)