Os primeiros nove meses de 2015 foram os mais quentes alguma vez registados no planeta – setembro foi mesmo o mais quente dos 1.629 meses registados –, anunciou esta quarta-feira a Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA). Segundo o mesmo organismo, 2014 foi o ano mais quente desde o início dos registos de temperatura, em 1880, e 2015 poderá bater um novo recorde.

Fevereiro, março, maio, junho, julho, agosto e setembro de 2015 são os mais quentes de que há registo, quando comparados com os mesmos meses de outros anos. Mas janeiro e abril não ficam muito atrás, um é o segundo mais quente e o outro o terceiro, respetivamente, referiu The Weather Channel.

Setembro de 2014 já se tinha mostrado o mês mais quente de que havia registo. Um ano depois, o mês de setembro ultrapassou esse recorde com uma margem de 0,12 graus Celsius, ou seja, atingindo uma temperatura global média de 15,9 graus Celsius.

Ter um ano 2015 excecionalmente quente pode estar relacionado com o fenómeno El Niño, que teve início em março deste ano, e é um dos mais fortes desde os anos 1950. Por outro lado, 2014, mesmo antes do El Niño se ter estabelecido, já tinha batido vários recordes.

Setembro NOAA

Anomalias climáticas mais significativas do mês de setembro de 2015 – NOAA

Mas dizer que setembro foi o mês mais quente em geral, não quer dizer que assim o tenha sido em todos os países. Espanha, por exemplo, teve o setembro mais frio desde 1996, com temperaturas médias abaixo do normal para este mês. No mês passado, a extensão de gelo do Ártico era de 28,8%, ou 1,8 milhões de quilómetros quadrados, abaixo da média no período entre 1981-2010 e o quarto mais baixo desde o início das observações satélite, em 1981.

Os gases efeitos de estufa emitidos para atmosfera contribuíram para o aquecimento global, atingindo níveis recorde em 2014, segundo um relatório internacional divulgado em julho pela NOAA. O Painel Climático Internacional demonstrou que a “temperatura na superfície da Terra aumentou quase um grau Celsius desde o início do século XX e até 2,5 graus Celsius em algumas zonas de África, Ásia e da América do Norte e do Sul, por causa da acumulação daqueles gases emitidos por atividades humanas”.

A NOAA divulgou os dados semanas antes da realização em Paris, entre 21 e 30 de novembro, da Conferência do Clima, durante a qual 195 países vão tentar negociar um acordo global para limitar o aquecimento global.