Clima

Fenómeno climático El Niño pode fazer de 2015 um ano ainda mais quente

O fenómeno El Niño afeta sobretudo o Pacífico sul, mas os efeitos podem fazer-se sentir em todo o planeta. A agência meteorológica norte-americana prevê que o fenómeno possa durar mais nove meses.

O aumento da temperatura e a seca extrema pode afetar algumas regiões devido ao El Niño

EITAN ABRAMOVICH/AFP/Getty Images

O fenómeno climático El Niño, que se começou a desenvolver em março de 2015, poderá prolongar-se por mais nove meses, confirmou o Centro de Previsão do Clima (CPC) da agência norte-americana que vigia as condições da atmosfera e oceanos (NOAA, National Oceanic and Atmospheric Administration). Os especialistas receiam que este fenómeno faça de 2015 um ano globalmente mais quente que 2014.

Há 90% de probabilidade que o El Niño se prolongue durante o inverno do hemisfério norte e 80% de probabilidade que dure até à primavera, refere o CPC citado pela Reuters.

Já em 2014 se pareciam estar a criar as condições necessárias para o desenvolvimento dos fenómenos climático El Niño que, apesar de ser um fenómeno global, afeta sobretudo o Pacífico sul. Em pleno Mundial de Futebol, havia previsões de que as temperaturas aumentassem no Brasil, que se agravasse a seca no norte do país e que aumentasse a chuva no sul. Mas nada aconteceu. Pelo menos nada que pudesse ser associado a este fenómeno climático extremo.

Nos anos do El Niño as correntes atmosféricas mudam afetando sobretudo a costa oeste da América do Sul, o sudeste asiático e as ilhas da Oceânia. Os ventos que correm mais frequentemente de este para oeste, empurrando as águas superficiais mais quentes em direção à Indonésia, abrandam e as águas superficiais ao largo do Peru ficam mais quentes. As chuvas diminuem no sudeste asiático, onde podem ocorrer fenómenos de seca extrema, e aumentam na América do Sul. Em 1997-1998, o El Niño atingiu gravemente o Peru, com chuvas 16 vezes superiores ao normal. A Austrália também costuma ser atingida com seca extrema e grandes incêndios.

Vídeo que explica o fenómeno El Niño – Crédito: Met Office, Reino Unido

Na América do Norte também se podem fazer sentir alguns efeitos: a costa oeste dos Estados Unidos poderá ter um inverno mais húmido e na costa este a tendência será para uma época dos furacões menos intensa, disse ao Observador José Castanheira, investigador em Dinâmica de Clima na Universidade de Aveiro. “Os valores dos prémios de seguro variam entre a costa oeste e a costa este durante os anos de El Niño”, acrescenta o professor do Departamento de Física. Já o Canadá e Alasca poderão ter invernos mais frios.

A probabilidade de chuvas intensas na Califórnia está a ser recebida de forma mais ou menos positiva, referiu o USA Today. Por um lado, pode significar o fim da seca que atinge aquele estado há quatro anos e que já obrigou a restrições no consumo da água. Por outro, pode significar cheias catastróficas.

Embora o El Niño seja um fenómeno climático que se sobrepõe a muitos outros, não é o único a afetar as regiões do globo, lembra José Castanheira. “A Europa é uma região de transição, com influência de fenómenos diversos e onde o El Niño é menos decisivo.” Francisco Ferreira, professor na Faculdade de Ciências da Universidade Nova de Lisboa, concorda que os efeitos do El Niño na Europa e no hemisfério norte são mais difíceis de demonstrar. Facto é que o ano mais quente de que há registo em Portugal foi 1997, lembra Francisco Ferreira, o ano em que se verificou o El Niño mais intenso de que há registo.

O equivalente britânico do Instituto Português do Mar e da Atmosfera – Met Office – compilou dados de vários anos do El Niño e criou mapas de tendência de fenómenos. Na Península Ibérica parece assim haver mais probabilidade para outonos e invernos mais húmidos e menos frios durante o período do El Niño. O Met Office alerta, no entanto, que os mapas indicam maiores probabilidades, mas não podem ser assumidos como previsões do fenómeno atual.

Receia-se que o atual El Niño possa ser mais longo e mais intenso do que qualquer outro alguma vez registado. Francisco Ferreira, que também é coordenador da área de alterações climáticas na associação ambientalista Quercus, disse ao Observador que a análise dos vários fenómenos El Niño têm demonstrado que as alterações climáticas não aumentam a frequência do fenómeno, como inicialmente se suspeitava, mas que aumentam a intensidade, o que justifica os atuais receios.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Educação

Índices: orgulho e preconceito

João Araújo

Erradicar os índices seria levar a humanidade para a idade da pedra. Em algumas áreas (como na Educação) eles estão sob fogo cerrado, como sucede a tudo que exponha os seus embustes e maus resultados.

Filhos

Guarda conjunta em residência alternada /premium

Eduardo Sá

A recomendação de ser “regra” o regime de guarda conjunta com residência alternada, se mal gerida, pode trazer a muitas crianças uma regulação da responsabilidade parental mais populista do que justa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)