Rádio Observador

Guerra Fria

Reino Unido receava ataque nuclear da União Soviética

Documentos oficiais britânicos da altura da Guerra Fria revelam que as autoridades inglesas temiam um ataque nuclear por parte da União Soviética. E a razão era a bomba de hidrogénio criada pelos EUA.

Depois do lançamento das duas bombas atómicas que dizimaram as cidades japonesas de Nagasaki e Hiroshima, no final da II Guerra Mundial, os EUA foram maislonge e criaram uma bomba de hidrogénio que tinha um poder destrutivo mil vezes maior. 

A primeira detonação desta bomba deu-se em Enewetak nas ilhas Marshall, servindo para testar o poder da nova arma. A situação chegou aos ouvidos dos políticos britânicos em Whitehall (rua em Londres conhecida por ser a sede do Governo inglês).

Ficou-se agora a saber, depois da divulgação de documentos oficiais britânicos da altura da Guerra Fria, de acordo com o Financial Times, que os ingleses começaram a temer a possibilidade de a União Soviética ter conhecimento da existência da nova arma americana. É que, na opinião das autoridades do Reino Unido, os russos temiam mais os ingleses do que os americanos. E, por isso, seria o Reino Unido a sofrer as consequências por parte da URSS.

Numa carta de William Penney, um conhecido matemático e físico inglês, dirigida a Edwin Plowden, presidente da Autoridade para a Energia Atómica, é dada a conhecer a devastação que a Inglaterra podia sofrer se fosse alvo de um ataque nuclear por parte da União Soviética: “Em vez de largarem 32 bombas em Londres, eles (os soviéticos) irão, provavelmente, utilizar três, quatro ou cinco bombas muito poderosas.”

Mas Penney não utilizou apenas as palavras para expressar a sua preocupação. Nas costas da carta, o físico desenhou um triângulo invertido, representando, em cada canto, as zonas periféricas londrinas de Uxbrige, Romford e Croydon, isto para demonstrar a destruição total na área metropolitana da capital inglesa.

unnamed

Os documentos revelam ainda que o Governo britânico queria colocar em marcha um plano de contingência de prevenção a um ataque com 200 bombas atómicas russas. William Penney esclareceu, no entanto, que um ataque com uma bomba de hidrogénio seria muito mais devastador.

Apesar de todos os receios, autoridades da defesa britânica defendiam que não havia outra alternativa senão a criação de bombas de hidrogénio próprias. A aliança com Washington era uma das razões, mas a falta de armas de longo alcance no arsenal militar russo para atingir os EUA, colocavam o Reino Unido em primeiro lugar na linha de fogo.

Penney chegou mesmo a afirmar que a sua equipa de cientistas podiam criar a arma, mas isso não seria suficiente: “Achamos que podemos criá-las (as bombas de hidrogénio), mas isso é, como é lógico, muito diferente do que tê-las.”

O Governo começou a avançar para a construção da arma, nomeadamente na Nova Zelândia e África do Sul, para recolher os materiais necessários à sua criação. Mas o Reino Unido, pelo que se sabe até hoje, nunca chegou a possuir uma bomba deste género no seu armamento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)