Rádio Observador

Meteorologia

Porque é que existe verão de São Martinho?

3.678

Em pleno outono e de folhas castanhas do chão, o calor volta por uns dias regado por água-pé e acompanhado por castanhas. O verão de S. Martinho está de volta por uns dias. Mas de onde terá vindo?

AFP/Getty Images

Todos os anos é (quase) sempre a mesma coisa. Chegam os primeiros dias de novembro, o outono é suspenso, o verão regressa. Já todos nos habituámos a estes devaneios meteorológicos e, na verdade, nem sequer nos importamos muito com eles. É-nos agradável sentir aqueles raios de sol improváveis e que já pareciam distantes. É o verão de São Martinho, o período quente a meio de novembro, que vem “quebrar o gelo” acabado de chegar. 

A explicação meteorológica

É então provável que esteja a ler este artigo debaixo de um Sol estival, depois de muita chuva, alguma tão intensa que provocou as cheias que inundaram o Algarve na semana passada. Lendas à parte (já lá vamos), há uma justificação meteorológica para o bom tempo que se faz sentir desde este fim de semana e durará mais uns bons dias (parece que chuva só quarta da outra semana, ou seja, 18): a atmosfera está a ajustar-se à nova estação do ano, a reequilibrar-se, conforme explica Ilda Novo, do Instituto Português do Mar e Atmosfera.

O período em que estamos corresponde, assim, a um intervalo de “flutuação meteorológica” entre duas estações: tivemos o verão, veio o equinócio de outono e agora a Terra prepara-se para o inverno. Ora, a atmosfera movimenta-se em função da energia solar que absorve e que depende da estação do ano. Durante o verão, a atmosfera terrestre absorve mais energia solar do que aquela que perde. Mas durante o inverno passa a acontecer o contrário. Entre um e outro momento, a atmosfera da Terra ajusta-se para garantir um equilíbrio energético e então podemos assistir a fenómenos atípicos para a época como este.

Dicionário da Meteorologia

Um anticiclone é um centro de alta pressão atmosférica em que o ar se move no sentido do ponteiro dos relógios (no hemisfério norte, a sul o movimento é contrário). Uma zona depressionária é formada por um processo chamado “ciclogénese” em que o ar roda no sentido ciclónico.

Como é que a atmosfera se reequilibra? Através dos fenómenos atmosféricos que determinam as condições meteorológicas, nomeadamente os anticiclones e as zonas depressionárias. Este reequilíbrio, que garante o balanço energético da atmosfera, tem como consequência o movimento de massas de ar. Em Portugal, como o anticiclone dos Açores ainda mantém a mesma posição que no verão e se assiste a um transporte de ar quente vindo do norte de África, recebemos o verão de S. Martinho de abraços abertos entre o final de outubro e meados de novembro.

O anticiclone dos Açores, que influencia a condição meteorológica em Portugal, é subtropical. Isto significa que é quente e responsável pelo bom tempo.

Mas a meteorologia não é matemática, sublinha Ilda Novo. O tempo seco do verão de S. Martinho pode falhar por vezes, dependendo de outros fatores condicionantes como a temperatura da água do mar e dos oceanos. É por isso que às vezes as castanhas e a água pé não se bebem de manga curta, mas sim de galochas, cachecol e chapéu de chuva.

A lenda de S. Martinho 

Quanto à lenda, é bem mais conhecida, e atravessou o tempo desde o Império Romano até agora: Martinho era um soldado temente a Deus que havia lutado em França e regressava a Itália. Enquanto atravessava os Alpes, agasalhado com um manto vermelho, encontrou um homem cheio de frio à chuva e com fome. Martinho não tinha comida para lhe dar, mas tinha o manto e uma espada: rasgou o manto ao meio e cobriu o homem para o aquecer. E então as nuvens desapareceram e o Sol voltou a brilhar. Durante três dias, Deus esqueceu que era outono e o verão regressou.

Ora, Martinho de Tours existiu mesmo. Nasceu no século I na atual Hungria, mas foi criado em Itália por uma família pagã. Depois converteu-se ao Cristianismo e fundou o mosteiro mais antigo da Europa, localizado numa comuna francesa chamada Ligugé. Viveu em função dos outros, pregando os ensinamentos bíblicos e servindo aos mais desfavorecidos na qualidade de bispo de Tours. Morreu a 11 de novembro, o dia em que se celebra hoje em dia o Dia de S. Martinho. E foi enterrado ao fim de três dias.

Lenda ou não, a verdade é que o este sol de outono raramente nos falha. E este ano a boa ação de São Martinho ainda nos vai valer mais uma semana de temperaturas amenas e sol forte.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)