O que aconteceu aos bigodes do futebol português?

Em pleno Movember, movimento que recupera o bigode no mês de novembro, esmiucemos a relação dessa pilosidade facial com uma das classes profissionais que lhe foi mais fiel: os treinadores de futebol.

16 fotos

No rescaldo da quinta jornada da corrente edição da Liga NOS, o então treinador da Académica, José Viterbo, apresentou a sua demissão, após uma derrota caseira com o Boavista. O ato pode ter passado despercebido junto do comum adepto de futebol não-academista, mas teve um significado relevante que não foi descortinado, muito menos discutido, pelos incontáveis opinion makers da modalidade. Ora, Viterbo, honra lhe seja feita, era o último exemplar de uma espécie outrora abundante nos bancos de suplentes dos estádios portugueses: o timoneiro de bigode.

FC Porto vs Academica

Viterbo (e o respetivo bigode) em pleno exercício de funções, no Estádio do Dragão.
(foto: Global Imagens)

A escassez de bigodes nas equipas técnicas do futebol português não é um fenómeno propriamente recente: tem vindo a manifestar-se de forma progressiva, ao longo, sobretudo, da última década. Mas mais do que culpar de imediato as tendências de estilo masculino — que, durante décadas, nunca estiveram no topo da preocupação dos treinadores nacionais — é importante perceber o que terá levado a uma gradual mudança de visual dos chamados misters, culminando no inevitável desaparecimento de um acessório facial tão querido à classe.

Maia , 30/04/2015 - Decorreu esta tarde o XI Congresso Internacional de Futebol do Ismai, no auditório do Ismai. Neca (Fabio Poço / Global Imagens)

Manuel Gonçalves Gomes, vulgo Professor Neca. Um dos raríssimos bigodes da divisão principal do futebol português: atualmente é treinador-adjunto do F.C Arouca.
(foto: Fabio Poço / Global Imagens)

A culpa será, em grande parte, do mais bem sucedido treinador português a nível internacional: José Mourinho. Os seus longos sobretudos escuros, os fatos de bom tecido e corte personalizado, o cabelo impecavelmente cortado e, claro, uma total ausência de bigode, levaram os seus congéneres nacionais a tentar copiar-lhe o estilo, na impossibilidade de lhe copiar os feitos. Quantos técnicos principais foram apelidados de “novo Mourinho” bastando-lhes para tal duas vitórias seguidas e um leve cuidado no visual? Demasiados. Tivesse Mourinho optado por cultivar uma imponente bigodaça e outro galo decerto cantaria.

18326736.jpg

Poderia um bigode ter evitado a atual crise de resultados do Chelsea? Não se sabe. Certo é que teria evitado a atual crise de bigodes no futebol português. (foto: ANDY RAIN/EPA)

A conclusão anterior pode até ser especulativa, mas a história tende a sustentá-la: quando a referência nacional no métier era Artur Jorge, campeão europeu em 1987 pelo Futebol Clube do Porto, foi considerável a quantidade de treinadores que levaram em conta a sua farta pilosidade supra labial e lhe seguiram o exemplo. Foram os anos dourados do bigode, em que a principal divisão do futebol português se apresentava, época após época, fértil em excelentes exemplares, uns mais farfalhudos (Paco Fortes ou João Alves) outros mais aparados (Paulo Autuori ou Professor Neca).

E os jogadores?

Mostrar Esconder

No que respeita aos jogadores de campo, os bigodes tiveram a sua época dourada mais cedo, no início dos anos 80, tendo praticamente desaparecido dos relvados ainda na primeira metade da década seguinte. Por exemplo, só no onze inicial do Benfica, campeão nacional 1983/84, pontificavam oito (!) bigodes: Bento, Humberto Coelho, Álvaro Magalhães, Veloso, Bastos Lopes, Pietra, Carlos Manuel, e, claro está, o rei de todos eles, Fernando Chalana. Mas não foram os únicos exemplares a marcar os relvados nacionais. Os adeptos do Porto recordarão, com saudade, os bigodes de Frasco e do precocemente desaparecido Zé Beto, tal como os do Sporting os de Virgílio, do guardião Mészáros ou do letal Paulinho Cascavel. No caso dos de Alvalade, o bigode chegou a ser um item com peso institucional: o seu presidente Jorge Gonçalves, recentemente falecido, ficou conhecido como o “Bigodes”, graças à sua vigorosa handlebar.

Para o fenómeno também terão contribuído os êxitos desportivos da dupla de professores bigodudos — Carlos Queiroz e Nelo Vingada –, responsável pelos títulos mundiais seleções de sub-20 em 1989 e 1991, bem como os da equipa técnica que levou o Sport Lisboa e Benfica à final da Taça dos Campeões Europeus de 1988, liderada por Toni e Jesualdo Ferreira e onde até o médico, o Dr. Bernardo Vasconcelos, não dispensava o seu bigode-pirâmide (em ascensão das pontas para o centro). Como se pode ver no gráfico abaixo, a situação decaiu muito desde essa época dourada e nem os três selecionadores nacionais (António Oliveira, Humberto Coelho e Luiz Felipe Scolari) que emprestaram o seu bigode ao cargo de forma consecutiva foram capazes de o contrariar.

Os números não mentem: o bigode no futebol português está em perigo e a demissão de Viterbo pode ter sido a estocada final na sua existência. O alerta não surge agora por acaso: este mês celebra-se, um pouco por todo o mundo, o Movember, movimento de origem australiana que desde 2003 promove o uso do bigode para servir de alerta para a saúde masculina e cujas iniciativas associadas permitem a recolha de fundos para a investigação e combate aos cancros da próstata e testículos.

Assim, e à falta de bigodes primodivisionários nos tempos que correm, recordemos, em fotogaleria, no topo do artigo, alguns outros que fizeram história no futebol português.

Recomendamos

Populares

Últimas

A página está a demorar muito tempo.