A construtora Soares da Costa vai abrir um processo de despedimento coletivo de cerca de 500 funcionários, disse a empresa numa carta à Comissão de Trabalhadores, justificando a decisão com a crise em Portugal e Angola.

No documento a que a Lusa teve acesso, assinado pelo presidente executivo, Joaquim Fitas, são referidas as “repercussões nefastas” para a empresa da crise e a “estagnação do mercado de construção” em Portugal.

É igualmente referida a quebra de receitas em Angola, o principal mercado da Soares da Costa, “relacionada com a produção petrolífera”, o que fez cair o investimento público e privado.

Neste contexto, a empresa considera que é “inevitável o redimensionamento e reestruturação”.

Refere ainda a empresa de construção civil que, “mais do que a envolvente externa, é o histórico recente da empresa que a conduz a esta situação”, salientando que tem acumulado prejuízos anuais superiores a 60 milhões de euros.

A Soares da Costa é controlada em 66,7% pela GAM Holdings, detida pelo empresário angolano António Mosquito, que entrou no capital da construtora no final de 2013, sendo os restantes 33,3% da SDC — Investimentos (ex-Grupo Soares da Costa).

Trabalhadores da Soares da Costa em greve na quinta-feira

Trabalhadores da Soares da Costa vão fazer greve e realizar protestos na quinta-feira contra os salários em atraso, disse à Lusa o membro da Comissão de Trabalhadores da construtora José Martins.

De acordo com o responsável, na terça-feira foi realizado um plenário de trabalhadores, devido aos atrasos de salários e subsídio de Natal, do qual saiu uma resolução a exigir o pagamento até hoje dos vencimentos ou avançavam para greve e protestos esta quinta-feira frente aos estaleiros da empresa em Vila Nova de Gaia.

Essa greve vai mesmo acontecer, disse José Martins, afirmando que o período em greve coincidirá com o do tempo que durar o protesto, que arranca logo pela manhã mas ainda não está definido quando acaba.

A Soares da Costa Construções tinha em janeiro 1.060 funcionários, afirmou o membro da Comissão de Trabalhadores.