O Grupo Porto Editora, ao qual pertencem editoras como a Assírio & Alvim ou a Livros do Brasil, divulgou esta sexta-feira as novidades para o ano de 2016. Para além da reedição de obras de Sophia de Mello Breyner, José de Almada Negreiros, Eugénio de Andrade e Luis Sepúlveda, na apresentação, que decorreu no Museu Geológico, em Lisboa, o grupo anunciou a publicação de um novo romance de Richard Zimler, com ilustrações de Júlio Pomar, e uma edição das poesias publicadas em vida de Ruy Cinatti, com mais de mil páginas.

O novo ano irá trazer ainda duas obras de Rabindranath Tagore, o primeiro Prémio Nobel da Literatura não-europeu, e um livro de Richard Ford, que Manuel Valente, responsável pela área de literatura do grupo, considera ser um dos principais candidatos ao Prémio Nobel. Previsões à parte, uma coisa parece ser certa: há muitas novidades. Eis algumas delas.

Porto Editora

Já em janeiro dá-se a publicação de Mundo do Fim do Mundo, uma das obras mais emblemáticas do chileno Luis Sepúlveda. Publicado originalmente em 1989, o romance conta a história de um jovem adolescente que, fascinado pela leitura de Moby Dick, decide aproveitar as férias de verão para embarcar num baleeiro e conhecer as terras onde o mundo termina. Muitos anos mais tarde, já adulto, a personagem regressa às mesmas paisagens que descobriu em adolescente, mas por uma razão muito diferente.

A publicação de Mundo do Fim do Mundo dá seguimento ao objetivo da editora de publicar toda a obra de Sepúlveda, um dos escritores sul-americanos que mais vende em Portugal. Do mesmo autor, será ainda lançado em abril História de Um Cão Chamado Leal, uma fábula sobre o peso do passado e da memória, a força da amizade e o respeito pela natureza, temas recorrentes na obra do autor.

O Mundo do fim do mundo

“Mundo do Fim do Mundo” será publicado em janeiro

Em fevereiro, será reeditado A Sala Magenta, de Mário de Carvalho. A obra, que aborda temas como a paixão, o erotismo e a raiva, foi publicada originalmente em 2000 e ganhou os prémios literários Fernando Namora e Virgílio Ferreira. No mesmo mês, será publicado A Poeira que Cai sobre a terra e Outras Histórias de Jaime Ramos, que reúne diferentes contos dispersos de Francisco José Viegas. O livro tem como personagem o inspetor Jaime Ramos, uma das mais famosas da literatura portuguesa.

Para quem gosta de romances históricos, a editora irá lançar também em fevereiro Amemo-nos uns aos outros, da francesa Catherine Clément. O romance, que mistura personagens ficcionais com personagens históricas, como Victor Hugo ou Karl Marx, passa-se durante a Comuna de Paris (1871) e é uma homenagem a todos aqueles que foram tocados pela Liberdade. A autora não é nova na Porto Editora, que inicia assim a publicação das suas obras mais recentes.

Março será dedicado aos romances policiais, com o regresso de Lars Kepler e Michael Connelly ao catálogo da Porto Editora. De Kepler, pseudónimo do casal de escritores Alexander e Alexandra Ahndoril, será publicado Stalker, sobre um assassino em série que aterroriza as ruas de Estocolmo. Do norte-americano Michael Connelly, será editado Os Deuses da Culpa, um romance de ambiente judicial. Connelly é um dos nomes incontornáveis da literatura policial moderna. Ou, se quisermos acreditar nas palavras de Stephen King, é o melhor escritor de policiais da atualidade. Os seus livros, traduzidos em 36 línguas, já venderam mais de 50 milhões de exemplares.

No romance feminino, será publicado em março Regresso a Mandalay, de Rosanna Ley. Passado na Birmânia, o livro conta a história de Eva Gatsby e da sua jornada para reconstruir o passado da família. No mesmo mês sairá ainda Eu experimentei As Dietas dos Famosos e Sobrevivi, no qual a autora, Rebecca Haarigton, desmonta a obsessão dos famosos (e não só) pelas dietas.

Em abril, será editado Francamente, Frank, de Richard Ford. O livro, composto por quatro histórias narradas pelo mítico Frank Bascombe, é um retrato atual dos Estados Unidos. Ford é um dos grandes retratistas dos temas estruturantes da sociedade norte-americana e foi o único autor a ter uma obra distinguida com um Pulitzer e com um Pen/Faulkner Award. Para o mesmo mês, está ainda marcado o lançamento do novo livro de Lara Morgado, uma estreia no catálogo da Porto Editora. A obra, ainda sem título definitivo, será o terceiro romance da autora.

O Cão Que Comia a Chuva, o novo romance de Richard Zimler, será publicado em maio. O livro, sobre o bullying e os seus efeitos, é o primeiro a ser escrito diretamente em português pelo autor. A obra contém ilustrações do pintor Júlio Pomar. Ainda em maio, serão publicados os livros Victor e Macha, da ucraniana Alona Kimhi, o novo romance de Alberto S. Santos, e Os Inovadores, de Walter Isaacson, um livro de não-ficção sobre os criadores do computador e da Internet. Isaacson é o autor da famosa biografia de Steve Jobs, de 2011.

No mesmo mês, será editado O Peso do Coração, de Rosa Montero. Este é o segundo romance de Montero a ser editado pela Porto Editora, que, apesar de não ter tido o sucesso esperado com Lágrimas da Chuva, decidiu voltar a investir na autora espanhola. Do português Valter Hugo Mãe, será reeditado o romance a máquina de fazer espanhóis, lançado originalmente em 2010.

a máquina de fazer espanhóis

A reedição contará com um prefácio escrito por uma grande figura da literatura nacional, ainda por divulgar

A fechar o ano editorial, em junho a editora irá lançar A Guitarra Azul, de John Banville, Confia em mim, um romance erótico da autora bestseller do New York Times Jennifer Armentrout, e Quando eu era invisível, um romance feminino que assinala os 20 anos de Dorothy Koomson na Porto Editora.

Assírio & Alvim

Na continuação da publicação de livro a livro da obra de Ruy Belo, a Assírio & Alvim irá lançar em janeiro País Possível, sobre um Portugal real, “não mítico ou mitigado”. Para Vasco David, da Assírio & Alvim, a publicação de País Possível é um acaso feliz, uma vez que acontece na “ressaca de uma eleição e nas vésperas de outra”.

No mês seguinte, serão publicados os livros de poesia Outro Ulisses regressa a Casa, de Luís Filipe Castro Mendes, e Vem à quinta-feira, de Filipa Leal, uma estreia no catálogo da Assírio & Alvim. Também em fevereiro, será lançado o romance Missa in Albis, de Maria Velho da Costa, autora que tem vindo a ser reeditada. A nova edição, profundamente revista, inclui um prefácio de Manuel Gusmão.

Em março, serão reeditados três livros de poesia de Sophia de Mello Breyner: Ilhas, Musa e O Búzio de Cós e Outros Poemas. Os dois últimos, reunidos num só volume, encerram a republicação de toda a obra poética da escritora pela Assírio & Alvim. Também em março, sairão Golpe de Teatro, o mais recente livro de poesia de Helder Moura Pereira, e Montaigne, uma biografia de Stefan Zweig. A fechar as publicações do mês de março, será lançado um volume de poemas de Ruy Cinatti publicados em vida. A este livro, com mais de mil páginas, seguir-se-á um volume de poesia póstuma, que deverá ser publicado em 2017.

Layout 1

A biografia do filósofo francês Montaigne é uma das novidades da Assírio & Alvim

Voltando às reedições, para abril a Assírio & Alvim preparou o lançamento de mais dois livros do poeta Eugénio de Andrade: Vertentes do Olhar e O outro nome da terra. No mesmo mês, será lançada a nova coleção “Almada Breve”, num formato semelhante à coleção “Gato Maltês”. O objetivo é facilitar o acesso à obra de José de Almada Negreiros, uma das figuras incontornáveis do modernismo português. Os dois primeiros livros serão Manifestos, onde se inclui o famoso Manifesto Anti-Dantas, e Ficções Escolhidas.

Ainda em abril, será editado Cartas Reencontradas de Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro, o mais recente livro de Pedro Eiras. Inspirado pela visita que fez ao antigo Hôtel de Nice, em Paris, onde Mário de Sá-Carneiro se suicidou a 26 de abril de 1916, o autor relata a descoberta ficcional de cartas inéditas escritas pelo poeta para Fernando Pessoa. No mesmo mês, sairá ainda o livro de poemas Bisonte, de Daniel Jonas.

Em maio, o grande destaque vai para Asa e a Luz, de Rabindranath Tagore. O livro reúne as obras Pássaros Perdidos e Pirilampos, editadas em 1916 e 1928, respetivamente, pelo escritor indiano. Tagore foi o primeiro não-europeu a receber o Prémio Nobel da Literatura, em 1913. No mesmo mês, serão também publicados os ensaios literários de Walter Benjamin. A obra, ainda sem título definitivo, é o sexto volume da coleção de “Obras Escolhidas” do crítico e filósofo alemão.

Entre as novidades do mês de maio, encontram-se ainda as obras Teoria da Fronteira, o novo livro de poesia de José Tolentino Mendonça, Bandolim, de Adília Lopes, e um novo volume da coleção “Pessoa Breve”, dedicado aos contos de Fernando Pessoa. Em junho, a Assírio & Alvim irá lançar Estranha forma de vida, um romance de Enrique Vilas-Matas que já fez parte do catálogo da editora.

Livros do Brasil

O ano começa com a publicação de A Cidade, do norte-americano William Faulkner. O livro retoma a história de A Aldeia, o primeiro volume da chamada trilogia Snopes, reeditado em 2015 pela editora. Com a publicação de A Cidade, até agora inédito em Portugal, os leitores vão finalmente poder ler a trilogia completa em português. O terceiro volume, A Mansão, será também reeditado pela Livros do Brasil.

Em março, a Livros do Brasil irá reeditar dois títulos de Ernest Hemingway: Por Quem os Sinos Dobram, um dos romances mais aclamados sobre a Guerra Civil espanhola, e As Torrentes da Primavera seguido de Um Gato à Chuva e Outros Contos, que inclui o primeiro romance publicado pelo escritor norte-americano e outros 14 contos escritos durante o mesmo período. Curiosamente, Por Quem os Sinos Dobram foi a primeira obra de Hemingway a ser editada pela Livros do Brasil, em 1955.

A Cidade

O segundo volume da trilogia de Faulkner nunca foi editado em Portugal

Uma reedição de O Livro da Selva, do britânico Rudyard Kipling, será editada em abril. No mês seguinte, será a vez de A Peste, do francês Albert Camus, e de Em Balastro Para o Mar Branco, o livro que o autor Malcom Lowry julgou perdido durante décadas.

A Livros do Brasil irá fechar os lançamentos com Viagens com o Charley, de John Steinbeck. O livro, que será editado em junho, é o resultado de uma viagem que o autor fez pelos Estados Unidos depois de se ter apercebido que não conhecia a fundo o seu próprio país. Viagens com Charley é uma reflexão sobre os Estados Unidos, mas também uma reflexão de Steinbeck sobre ele próprio.

Sextante Editora

Para a editora, o ano começa em fevereiro com o lançamento do livro O Sexo Inútil, da atriz Ana Zanatti. A obra é um testemunho pessoal avassalador contra o conceito de “tolerância” em relação à comunidade LGBTI. O Sexo Inútil inclui passagens do diário de adolescente de Zanatti.

Em abril, será editado Histórias curtas, de Rubem Fonseca. O livro, composto por 38 histórias (obviamente) curtas, é muito semelhante a Amálgama, coletânea que lhe valeu o Prémio Jabuti, em 2015.