Sean Penn esteve com El Chapo e escreveu para a Rolling Stone sobre o evento. A dois tempos, num encontro e depois através de uma entrevista não presencial, o ator contou a história do famoso traficante de droga mexicano. Esse episódio entre ambos remonta a outubro de 2015 e até colocou em xeque El Chapo, que fugira em julho desse ano de uma prisão de máxima segurança. Se esta história já é, por si só, intrigante e tresanda a Hollywood, o que dizer da mulher que fez a ligação entre Penn e Joaquín Guzmán?

Kate del Castillo é o nome desse link. A atriz mexicana, de 43 anos, está no centro desta trama e foi ela quem promoveu o encontro entre traficante e ator, vestindo depois a pele de intérprete de ambos. A proximidade e cumplicidade entre El Chapo e del Castillo ganharam relevo quando a atriz lhe reservou algumas palavras simpáticas no Twitter, em 2012. “Hoje, acredito mais em El Chapo Guzmán do que no governo que me esconde a verdade mesmo que seja dolorosa.”

Del Castillo não se ficou por aí, apelando à influência de Guzmán: “Senhor Chapo, não seria bom que começasse a traficar com amor? Com curas para as doenças, com comida para as crianças sem-abrigo, com álcool para os lares de terceira idade onde eles não deixam os mais velhos passarem o que lhes resta das suas vidas a fazer o que lhes dá na gana? (…) Seria um dos nossos heróis. Vamos traficar com amor. Você sabe como fazê-lo. A vida é um negócio e a única coisa que muda é a mercadoria. Não concorda?”, questionou.

Actress Kate del Castillo arrives for the Centerpiece Gala Premiere of Alcon Entertainment's 'The 33' during AFI FEST 2015 presented by Audi at TCL Chinese Theatre in Hollywood, California on November 9, 2015. AFP PHOTO/MARK RALSTON (Photo credit should read MARK RALSTON/AFP/Getty Images)

MARK RALSTON/AFP/Getty Images)

Em 2015, no entanto, del Castillo procurou esfriar esse encantamento, puxando o governo para baixo e não El Chapo para cima: “Alguém assim, pelo menos sabemos quem é, o que faz, sabemos a sua profissão. Os outros, às vezes, são piores criminosos, e anestesiam-nos, e escondem-nos tudo”, disse à CNN. A reportagem de Sean Penn revela que o chefe do cartel Sinaloa enviou flores a Castillo para lhe agradecer a simpatia. Apesar destas pistas, não se sabe a origem da relação entre traficante e atriz.

O vídeo em resposta às perguntas de Sean Penn até começa com um declaração que demonstra bem em que patamar está a atriz mexicana. “Quero deixar claro que esta entrevista é para uso exclusivo de Kate del Castillo e Sean Penn.”

Atiz, polémica, escritora e dona de uma marca de tequila

Kate del Castillo nasceu em 1972 na Cidade do México e é filha de um ator mexicano famoso, Eric del Castillo, conta a Variety. A mexicana representou desde muito nova, mas despertou a atenção dos holofotes apenas em 1991, com a série televisiva “Muchachitas”. A tour da peça “Love Letters” ajudou também. Curiosa e irónica é a sua ligação ficcional ao mundo da droga, nomeadamente em “Weeds”, onde representa alguém influente no crime, e também em “The Queen of the South” (2011), onde veste a pele de uma traficante de droga, conta a CNN. Recentemente, del Castillo participou em “Jane the Virgin” e “The 33”. Atualmente é possível vê-la na Netflix, na série “Ungovernable”, onde, pasme-se, faz de primeira-dama mexicana. Segundo a Netflix, a personagem é “capaz de criar um presidente, deixá-lo e matar o presidente”, conta o New York Times.

Em setembro de 2015, Kate del Castillo ganhou direito à cidadania norte-americana, momento que imortalizou no Twitter, com uma mensagem direta para Donald Trump, que tem sido arrasador relativamente aos mexicanos. A mexicana não foge, portanto, a polémicas. Não se sabe, para já, se a atriz está a ser investigada pela polícia por ter promovido e participado no encontro entre Sean Penn e El Chapo.

Segundo a sua página no IMDB, a L’Oréal Paris contratou-a para porta-voz da empresa e para as suas marcas de beleza. Os anúncios foram gravados em Los Angeles, onde vive, e Paris. O destino dos mesmos foi Estados Unidos e México. A atriz foi ainda eleita embaixadora da Comissão para os Direitos Humanos do México, em 2009, para combater o tráfico humano. Mais: del Castillo lançou a campanha Coração Azul na Cidade do México, em 2010, com Mira Sorvino, a embaixadora da Boa Vontade das Nações Unidas.

Em 2007, Kate del Castillo escreveu “Tuya”, o seu primeiro romance, no qual faz um retrato sobre a violência de género, assim como os problemas que assolam os casais atualmente, esboçando assim uma tormenta regada a paixão e crueldade. Mas este perfil complexo vai mais além: atriz é dona de uma marca de tequila, Honor del Castillo.

A mexicana ainda não teceu qualquer comentário à reportagem de Sean Penn, assim como à sua ligação com El Chapo. Veja aqui o trabalho do ator norte-americano em modo jornalista.