País

Troço da A14 abate e abre cratera na autoestrada

735

Uma parte da autoestrada do Baixo Mondego abateu este sábado, no troço que liga Montemor-o-Velho à Figueira da Foz. Há danos materiais e a Brisa admite que a reparação demore seis a sete semanas.

O aluimento de terras aconteceu ao quilómetro 10, na zona de Maiorca

PAULO CUNHA/LUSA

Um troço da A 14, a autoestrada do Baixo Mondego, cedeu e provocou uma cratera na estrada, impedindo a circulação de carros, avança a TVI. O aluimento do piso aconteceu no troço que liga Montemor-o-Velho à Figueira da Foz, ao quilómetro 10, na zona de Maiorca.

Segundo o jornalista no local, existe uma passagem de água sob a autoestrada e, desta vez, a pressão foi tal que a A 14 não resistiu, provocando danos materiais e o corte do trânsito no sentido Coimbra-Figueira da Foz. O abatimento do piso terá resultado do colapso de uma conduta de escoamento de água, admitiu à Lusa fonte da GNR.

O alerta foi dado pelas 17h44, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Coimbra. Por enquanto, os carros continuam a circular no sentido oposto (Figueira da Foz-Coimbra), limitando-se à faixa de rodagem da direita, uma vez que a faixa da esquerda também foi parcialmente afetada pelo abatimento do piso.

Chamada ao local do aluimento para avaliar a situação, a Brisa admite que a reparação da estrada demore seis a sete semanas.

“Com base naquilo que é possível observar agora”, devem ser necessárias “seis a sete semanas para restabelecer a normalidade da circulação”, nos dois sentidos, na autoestrada que liga Coimbra à Figueira da Foz, disse à agência Lusa fonte da Brisa, empresa concessionária da via.

Os dados entretanto recolhidos por técnicos da Brisa, deslocados para o local, e o conhecimento que a empresa tem da situação onde o piso cedeu, e para onde tinha prevista uma intervenção, não permitem que se possa “excluir a hipótese de o trânsito vir a ser interrompido nos dois sentidos”, acrescentou a mesma fonte.

O trânsito entre Montemor-o-Velho e Figueira da Foz está a ser desviado, a partir do nó de Montemor-o-Velho, por vias secundárias, pelas normalmente designadas estradas do campo, disse à agência Lusa fonte do Destacamento de Trânsito da GNR.

A “alternativa natural” à A14 seria, no entanto a antiga Estrada Nacional (EN) 111, mas esta está interdita ao tráfego, num dos seus troços, entretanto municipalizado, onde decorrem obras.

A Câmara da Figueira da Foz, responsável por aquele lanço da EN111, vai “procurar criar condições” para que esta estrada possa ser utilizada dentro do mais curto espaço de tempo possível, adiantou a Brisa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)