Educação

Turmas com menos alunos não têm necessariamente melhores resultados

217

O tamanho das turmas, só por si, não tem uma relação direta com os resultados dos alunos. É o que se conclui olhando para os dados de vários países europeus.

Em 2012, Portugal apresentava um número médio de alunos por turma em linha com a Europa (22 alunos)

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Marlene Carriço
Mais sobre

Muitas são as vozes que se têm levantado em defesa da redução do número de alunos por turma, e o próprio programa de Governo prevê essa medida, mas a verdade é que não só Portugal está em linha com os restantes países europeus, em termos médios, como os resultados escolares parecem estar pouco relacionados com a dimensão das turmas, segundo um estudo que será, esta terça-feira, apresentado e discutido no auditório do Conselho Nacional de Educação.

De acordo com o estudo “O que faz uma boa escola?”, do projeto aQeduto, olhando para o conjunto dos países, “não se verifica qualquer relação entre o número médio de alunos por turma e os resultados PISA”, lê-se no estudo a que o Observador teve acesso.

Exemplo disso é a Holanda — dos países com mais alunos por turma (25) — que obteve uma pontuação de 523 a Matemática no PISA de 2012 em comparação, por exemplo, com o Luxemburgo que apresentava um tamanho médio de 21 alunos e somou 490 no PISA.

Nesse ano, o tamanho médio das turmas na Europa variava entre 18 e 27 alunos. Portugal tinha um número médio de 22 alunos por turma, “em linha com a maioria dos países europeus e inferior ao número máximo de alunos por turma estipulado por lei neste período”.

E sublinham os autores que, entre 2003 e 2012, embora o número médio de alunos por turma se tenha mantido estável em Portugal, a pontuação no PISA subiu cerca de 20 pontos. Já na Finlândia, onde o tamanho das turmas se manteve estável (abaixo dos 20), a pontuação desceu. E na Holanda o número de alunos por turma aumentou nesse mesmo período e a pontuação no PISA baixou. Na Suécia igual e na Dinamarca também.

Melhores escolas têm professores motivados e mais atividades extracurriculares

Este documento, que servirá de base à discussão do 5.º fórumdo aQeduto, procura ainda responder à questão: “O que faz uma boa escola?”. E os autores chegam à conclusão, depois de falarem com diretores de escolas, que as escolas com bons resultados e que servem populações com baixos recursos distinguem-se das demais por terem professores mais motivados, atividades extracurriculares, infraestruturas e recursos satisfatórios e autonomia na gestão do orçamento. As que estão no extremo oposto são escolas que chumbam mais alunos, por exemplo.

O Projeto aQeduto é uma parceria entre o Conselho Nacional de Educação e a Fundação Francisco Manuel dos Santos, desenvolvido por uma equipa multidisciplinar. Este projeto visa explicar a variação dos resultados dos alunos portugueses nos testes PISA, entre 2000 e 2012, tendo em conta três eixos fundamentais: os alunos, as escolas e o país.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Escolas

É agora que se aposta no sucesso escolar de 2019

Diogo Simões Pereira
230

É agora que os alunos, sobretudo os que receberam notas negativas como “presente de Natal”, têm de decidir se querem ou não fazer um esforço extra durante os próximos seis meses.

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)