“Chamamos-lhes refugiados, mas são pessoas como qualquer um de nós”. A frase é de George Clooney, dita numa conferência sobre direitos humanos em Yerevan, na Arménia. O ator revelou que alguns membros da sua família chegaram aos Estados Unidos como refugiados e pediu respeito por todos aqueles que hoje seguem o mesmo caminho.

“A família Clooney fugiu da Irlanda no século XIX para escapar à fome e chegou aos Estados Unidos onde precisou de casa, refeições e alguém que ajudasse”, explicou Clooney. “A verdade é que todos nós aqui esta noite beneficiámos da bondade de alguém. Todos nós nos apoiamos nos ombros de pessoas com bom coração que não se afastaram de nós quando mais precisámos”, acrescentou o ator, que apelou assim a que todos ajudem quem chega de outros países ou de outros locais.

George Clooney esteve na Arménia para apresentar a cerimónia do Prémio Aurora, que distingue figuras que dedicam a vida a ajudar os outros. Clooney já produziu vários documentários sobre o conflito do Darfur no Sudão e disse no sábado que combate o “sufoco” da fama com ativismo pelos direitos humanos, revela o The Guardian. O discurso foi registado por vários meios de comunicação social.

“Se nos colocarmos em frente a qualquer grupo de refugiados e se os olharmos nos olhos, é possível que vejamos uma família irlandesa a fugir da fome. Se queremos sobreviver como seres humanos não podemos olhar para o lado”, conclui o ator.