Estante-Separadores-ficcao

Na Assírio & Alvim, o mês de maio irá começar com o lançamento de Contos Escolhidos, de Fernando Pessoa. O volume, da coleção Pessoa breve, inclui contos retirados dos livros O Mendigo e outros contos e A estrada do esquecimento e outros contos, editados pela mesma editora. Pela Assírio & Alvim, será ainda publicado Ensaios sobre a Literatura, do filósofo e crítico cultural Walter Benjamin. A coletânea, nunca antes editada em Portugal, foi traduzida por João Barrento.

Pela Livros do Brasil, irá sair Rumo ao Mar Branco, a obra-prima de Malcom Lowry que se pensou perdida. Escritor e poeta inglês, Lowry é conhecido sobretudo pela obra Debaixo do Vulcão. Em maio, a editora irá também reeditar A Peste, a obra colossal de Albert Camus. Já na Porto Editora, será publicado A guitarra azul, o mais recente livro de John Banville (que estará a 28 de maio na Feira do Livro de Lisboa a 28) e O cão que comia a chuva, de Richard Zimler, com ilustrações de Júlio Pomar. Pela mesma editora, sairá ainda História de um cão chamado Leal, do chileno Luis Sepúlveda.

porto editora

Pela Relógio d’Água, irá sair em maio a Poesia Reunida de T.S. Eliot, La Frantumaglia, da escritora mistério Elena Ferrante, Dias da Birmânia, o primeiro romance de George Orwell, publicado originalmente em 1934, e Sobre Estar Deitado na Cama e Outros Ensaios, de G. K. Chesterton, com seleção e introdução de Alberto Manguel.

Na Tinta-da-China, o mês irá começar com o lançamento de A Dor Concreta, o novo volume da coleção de poesia dirigida por Pedro Mexia, e de A Conquista das Almas: Cartazes e Panfletos da Acção Psicológica na Guerra Colonial, de Aniceto Afonso e Carlos de Matos Gomes, da Coleção Ephemera. Os dois livros chegam às livrarias a 13 de maio.

Mas os lançamentos não irão parar por aqui. A 20 de maio, será a vez de Levante-se o Réu Outra Vez, uma crónica de tribunal de Rui Cardoso Martins com prefácio de António Lobo Antunes, e de Espanha, de Jan Morris. O livro é o terceiro da autora a entrar para a popular coleção de literatura de viagens.

No final do mês, sairá ainda pela Tinta-da-China Para Lá do Relvado, um ensaio sobre futebol de Raquel Vaz-Pinto, e a edição de bolso de Eu Sou Uma Antologia: 136 Autores Fictícios, de Jerónimo Pizarro e Patrício Ferrari. Editado pela primeira vez em 2013, o livro é um levantamento de todos os heterónimos e personagens autorais criados por Fernando Pessoa. Eu Sou Uma Antologia estará à venda a partir de 27 de maio.

No mesmo dia, chegará às bancas o novo número da revista Granta, dirigida por Carlos Vaz Marques. Apesar de o conteúdo da revista estar no segredo dos deuses, a Tinta-da-China avançou que o número sete terá como mote a frase “O mundo é um palco”, numa altura em que se comemoram os 400 anos da morte do dramaturgo inglês William Shakespeare.

Na Guerra e Paz, a coleção de clássicos da literatura não para de crescer. No dia 4 de maio, chegará às livrarias O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde. No mesmo dia, sairá também À Espera de Bojangles, o primeiro romance do francês Olivier Bourdeaut. Publicado no início deste ano, o livro já ganhou vários prémios, incluindo o Grande Prémio RTL-Lire. Pela Ítaca, irá sair já perto do final do mês Dez de Dezembro, um livro de contos do escritor norte-americano George Saunders. O autor, inédito em Portugal e vencedor do prémio Folio, foi escolhido como um dos melhores do ano 2013.

Na Alfaguara, o mês de maio será marcado pela publicação do Manual de Mulheres de Limpeza, de Lucia Berlin, “um dos segredos mais bem guardados da literatura norte-americana”, como lhe chamou o escritor Paul Metcalf. Publicado 11 anos depois da morte da autora, o conjunto de contos, reunidos e publicados originalmente pela editora Farrar, Strauss and Giroux, foi considerado um dos livros do ano por vários jornais de referência norte-americanos, como o New York Times.

A 6 de maio, a Quetzal irá editar O Fim do Mundo, um romance-fábula aterrador de Bousalem Sansal inspirado em 1984, a obra-prima de George Orwell. O Fim do Mundo, galardoado com o Prémio da Academia Francesa, explora a ideia do estabelecimento de uma ditadura religiosa de raiz muçulmana. No mesmo dia, sairá M Train, o novo livro de Patti Smith. Partindo do presente, de um pequeno café em Greenwich Village onde Smith costuma tomar café todos as manhãs, a cantora e compositora pensa e escreve o mundo como ele é e como foi no passado.

A Dom Quixote irá começar o mês com a publicação a 10 de maio de Se o Passado não Tivesse Asas, do escritor angolano Pepetela, um livro sobre a amizade entre Himba e Kassule, duas crianças de 13 e 10 anos. Pela mesma editora sairá anda Anunciações, de Maria Teresa Horta. Ao longo de 280 poemas, a autora relata a história do romance tumultuoso que existe entre o arcanjo Gabriel e Maria. O livro chega às livrarias a 24 de maio.

Estante-Separadores-nao-ficcao

A Texto Editora irá lançar Veni, Vidi, Vici — Tudo o que sempre quis saber sobre os romanos mas teve medo de perguntar, um livro de Peter Jones sobre um dos maiores (e mais longos) impérios da história. O livro chega às livrarias já no dia 3 de maio. Pela Porto Editora, irá sair Os Inovadores, de Walter Isaacson, uma biografia da revolução digital escrita pelo autor do bestseller Steve Jobs, e Maria, a biografia da mulher que deu à luz Cristo, de Rodrigo Alvarez, correspondente da TV Globo no Médio Oriente.

Se está à procura da cura para todas os males, a Quetzal tem a solução. A 6 de maio, a editora irá lançar Remédios Literários, de Ella Berthoud e Susan Elderkin. De A a Z, as autoras aconselham centenas de livros que prometem curar todos os problemas, desde o “Abandono” a “Zangar-se com o melhor amigo”.

Paulo Moura, jornalista de profissão, voltou à estrada para percorrer a costa portuguesa, de Caminha a Monte Gordo. Dessa viagem resultou Extremo Ocidental: Uma Viagem de Moto pela Costa Portuguesa, uma narrativa que inclui estradas, paisagens, praias, cidades, mas também pessoas e histórias. “Esta viagem é assim. Necessita de enredos, como combustível. Perder tempo com as histórias que vou encontrando não atrasa a viagem — dá-lhe movimento”, escreveu o jornalista. O livro irá sair em maio pela Elsinore.

Pela Orfeu Negro, irá sair História do Espelho, de Sabine Melchior-Bonnet. O livro percorre a história do espelho, que começou por ser um objeto raro e preciso na Antiguidade, tornando-se depois num elemento banal na época contemporânea. Para além de reconstruir a sua história, Melchior-Bonnet esboça também a relação do homem com a sua própria imagem. Em maio, a editora irá ainda reeditar O Espaço Vazio, de Peter Brook. O livro, que vai já na terceira edição, foi descrito pela revista Time como uma obra que interessa a todos os que se preocupam com a natureza e o destino do teatro contemporâneo.

Estante-Separadores-infantil (1)

José Luís Peixoto irá regressar aos lançamentos com um livro para os mais pequenos. Todos os Escritores do Mundo Têm a Cabeça Cheia de Piolhos, o segundo do autor para a infância, chega às livrarias a 6 de maio, com chancela da Quetzal. Pela Asa, irá sair no dia 3 de maio Poesia-me, de Álvaro Magalhães e Cristina Valadas. Ao leitor, o livro pede apenas: “Abre-me e lê-me./ Devagar e também furiosamente./ Como quem ama./ Em troca, poesio-te.”

mini

Pela Booksmile, irá sair este mês A Teia da Carlota, de E.B. White, considerado um dos 100 melhores livros de sempre pela revista Time. A tradução é de Carla Maia de Almeida. Já a Orpheu Negro, irá acrescentar mais três títulos à coleção “Mini” — Cheguei Atrasado à Escola Porque… e O Dia em que os Lápis Voltaram a Casa, de Davide Cali e Benjamin Chaud (autores de Não Fiz os Trabalhos de Casa Porque…), e Tão Tão Grande, o novo livro de Catarina Sobral.

Este último conta a história de Samuel que, certa manhã, deu por si transformado num gigantesco hipopótamo. “Uma divertida abordagem kafkiana sobre a estranheza do crescimento e as bizarras mudanças do corpo”, como refere a editora.