A Polícia de Guarda Fronteira (PGF) angolana recebeu 120 viaturas pesadas de fabrico russo Ural para reforço do patrulhamento dos mais de 5.000 quilómetros de fronteiras terrestres com quatro países vizinhos.

A entrega das viaturas à PGF decorreu, em Luanda, em cerimónia presidida pelo comandante-geral da Polícia Nacional, Ambrósio de Lemos, no encerramento de um curso de capacitação de 103 efetivos daquela fronteira na especialidade de motoristas deste tipo de viatura.

Não foram adiantados valores envolvidos no negócio de fornecimento destas viaturas a Angola.

Ambrósio de Lemos disse que este apetrechamento resulta da “preocupação” do Governo com a vigilância das fronteiras angolanas, tendo em conta que o país continua a ser “invadido por estrangeiros”, algo que “é necessário estancar, de forma vigorosa”.

Indicou mesmo o norte e leste do país como as zonas mais problemáticas em termos de violação das fronteiras terrestres, além da fronteira marítima, num litoral com 1.600 quilómetros, neste caso através de embarcações que, partindo de outros países vizinhos a norte, “tentam aceder Luanda e arredores” de forma ilegal.

Angola partilha, a norte, uma fronteira terrestre de mais de 2.500 quilómetros com a República Democrática do Congo, 1.100 quilómetros de fronteira com a Zâmbia e 1.370 quilómetros com a Namíbia, a sul.

O comandante-geral da Polícia Nacional angolana adiantou que muitos dos imigrantes tentam entrar no país por via terrestre, daí a necessidade de um reforço de meios nos postos de controlo ao longo de toda a fronteira, nomeadamente com as novas viaturas pesadas agora entregues e a distribuir por várias províncias.

“Aos nossos compatriotas que facilitam e compactuam com estes mesmos ilegais, facilitando o fenómeno da imigração, não seremos condescendentes e sentirão o braço forte da justiça. O país está a atravessar uma fase difícil da sua economia, por isso, a Polícia Nacional tem que cumprir com o seu papel”, advertiu Ambrósio de Lemos.