Rádio Observador

Universidades

Governo quer estudantes a andar de “bike”

1.900

Governo lança projeto de aluguer de bicicletas em 17 universidades por todo o país. Projeto vai custar 6,4 milhões de euros. Executivo quer 5% da população a deslocar-se de bicicleta até 2020.

A mobilidade suave – deslocações diárias em bicicleta e bicicleta elétrica – ainda diz pouco aos portugueses, com cerca de 1% dos portugueses a utilizar estes veículos para se deslocar diariamente, mas o Governo quer mudar estes números. Para isso, o Ministério do Ambiente vai começar pelas universidades, emprestando bicicletas a alunos do ensino superior que as devem utilizar como principal meio de deslocação para estudar, mas também para o resto do seu dia-a-dia.

O projeto, que já está a ser preparado pelo Ministério do Ambiente desde o ano passado – e que ainda foi lançado pelo anterior Governo -, chama-se U Bike, conta com a participação de 17 universidades de Norte a Sul do país e vai ainda englobar a criação de estacionamento só para bicicletas nas instituições de ensino superior. “Com este projeto pretendemos abranger mais de 200 mil alunos e é uma ação emblemática, de forma a ir de encontro à comunidade mais jovem“, diz José Mendes, secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, ao Observador. A ideia é distribuir mais de três mil bicicletas – mais de mil serão elétricas – entre a população universitária de modo a promover a utilização deste veículo como meio de transporte principal, esperando que este hábito se mantenha durante a vida ativa.

U-Bike-tabela (2)

A Universidade de Aveiro, uma das instituições que vai participar neste projeto, quer “dar resposta a um desígnio” da instituição que é a criação de um Low Carbon Campus, que contribua para uma descarbonização sustentada dos padrões de deslocação em toda a região de Aveiro, segundo resposta enviada por esta universidade ao Observador. Assim, em Aveiro haverá 239 bicicletas para emprestar aos alunos, das quais 142 serão convencionais e 97 elétricas. As bicicletas vão ser atribuídas em regime de aluguer de longa-duração e coordenados pelos serviços de Ação Social da universidade. Para além das bicicletas, este programa vai englobar ainda a construção de 300 novos lugares de estacionamento de bicicleta – a universidade já tem 300 – e dois parques de estacionamento fechados.

U-Bike-mapa (1)

Com experiência nesta matéria devido à tradição e às apostas do município na mobilidade suave, José Ribau Esteves, presidente da Câmara de Aveiro, considera que este projeto é importante, mas critica dois aspetos chave: o tempo do empréstimo e a obrigatoriedade de incluir 40% de bicicletas elétricas. “A ideia de emprestar uma bicicleta durante nove ou dez meses não faz muito sentido. A utilização partilhada poderia ser mais eficaz e até é normal que um jovem queira ter a sua própria bicicleta quando começa a gostar deste meio de deslocação”, afirmou o autarca ao Observador. Sobre as bicicletas urbanas, o social-democrata afirma que têm mais custos de manutenção e que não deveriam ultrapassar os 20% da aposta deste projeto.

A verba para financiar o projeto nas 17 instituições de ensino superior que aceitaram o desafio do Ministério do Ambiente vem do PO SEUR (Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos), um dos 16 programas criados para a operacionalização da Estratégia Portugal 2020 e o projeto está orçamentado em cerca de 6,4 milhões de euros. A coordenação do projeto está a cargo do IMT e o período de candidatura das universidades terminou em março de 2016. Ainda não há data prevista para a implementação deste projeto.

Bicicletas: mudar comportamentos e mentalidades

Mas não só os hábitos dos mais jovens que o Governo pretende mudar. 70% das emissões de gases de estufa devem-se aos sistemas de mobilidade nas cidades e José Mendes disse ao Observador que é objetivo deste executivo “um forte relance da mobilidade suave”. Para além de programas como o U Bike, junto dos municípios, o Governo vai promover a mobilidade em bicicleta nos Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano (PEDU) e Planos de Ação de Mobilidade Urbana Sustentável (PAMUS), assim como a revisão do plano Ciclando, que foi implementado em 2012 e visa a promoção da utilização da bicicleta.

“Valoriza-se muito o automóvel em termos de estatuto social. O principal problema na utilização da bicicleta é cultural. A ideia é que os universitários comecem a utilizar este meio com mais frequência e que esse pensamento se vá alargando às gerações mais velhas”, afirmou o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, afirmando que a meta do Governo para a utilização da bicicleta daqui a cinco anos é que seja utilizada pelo menos por 5% da população para as suas deslocações entre casa e o trabalho – a média europeia é de 7%. Atualmente, segundo o Eurobarómetro de dezembro de 2014 sobre a qualidade do transporte, Portugal é um dos países com menos utilização de bicicleta, ficando ao nível de Chipre (também com 1%) e só à frente de Malta (0%).

utilizacao_bicicleta_uniao_europeia02

O próprio secretário de Estado tem duas bicicletas e antes de entrar em funções no Governo e ficar com uma agenda que o obriga a várias deslocações longas durante o dia, disse ao Observador que utilizava este meio de transporte para se deslocar para o trabalho.

Também Ribau Esteves diz que é preciso mudar a cultura, mas lembra que no município de Aveiro há uma componente importante que tem a ver com a tradição da mobilidade em bicicleta. Dois dos municípios da região, Ílhavo e Murtosa, têm os índices mais elevados de utilização de bicicleta em Portugal com 12% e 13% dos seus habitantes, respetivamente, a utilizarem este meio para as deslocações entre casa e o trabalho. Há 15 anos, Aveiro inaugurou um sistema de partilha de bicicletas apelidado Buga e a Câmara Municipal quer agora reabilitar o projeto. “Sobraram 30 bicicletas que estão velhas e queremos arrancar com um novo sistema. Aveiro conta com 150 km de ciclovias e a cidade quer assumir-se como a capital da bicicleta”, indica o autarca. Para aumentar a utilização da bicicleta entre os mais jovens, Ribau Esteves indica ainda que esta utilização devia estar prevista no seguro escolar, de modo a incentivar os mais novos a deslocaram-se com mais frequência para a escola neste meio de transporte.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

grafismo de Andreia Reisinho Costa e Milton Cappelletti.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)