Rádio Observador

Estivadores

Estivadores exigem investigação judicial sobre falta de medicamentos na Madeira

O presidente do Sindicato dos Estivadores, António Mariano, exige que o Ministério Público investigue quem, de facto, provocou a rutura de 'stock' de medicamentos na Madeira.

"Há imagens muito poéticas, como aquela do "Há Lodo no Cais". De facto em 1979 éramos um sindicato-patrão. Mas já se fizeram muitos filmes"

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

António Mariano, presidente do Sindicato de Estivadores, anunciou esta quarta-feira que vai pedir ao Ministério Público que investigue o que de facto provocou a rutura de ‘stocks’ de alguns medicamentos na Madeira durante a paralisação do porto de Lisboa. Isto porque, diz António Mariano, alguém fez de “propósito” para que os medicamentos não chegassem ao arquipélago.

“Cumprimos sempre os serviços mínimos e carregámos tudo. Até 300 automóveis por semana com destino à Madeira. [A rutura de ‘stock’] foi uma encenação”, começou por dizer o dirigente sindical. “Mas como mexe como a vida das pessoas, iremos pedir ao Ministério Público para investigar isto porque alguém fez com que não chegassem deliberadamente à madeira”, garantiu António Mariano na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Em maio, o ‘stock’ de medicamentos para a hemodiálise entrou em rutura em vários hospitais madeirenses, com a Força Aérea a ser obrigada a intervir. Em plena greve de estivadores, a direção clínica e os diretores de serviço do Hospital Central da Madeira chegaram mesmo a colocar os lugares à disposição em parte devido à falta de medicamentos e material. O Governo Regional madeirense decidiu depois substituir a administração do hospital.

Agora, o dirigente sindical veio rejeitar qualquer responsabilidade na crise de ‘stock’ que aconteceu na Madeira durante a greve de estivadores e fala mesmo em interesses de terceiros nessa rutura, embora nunca tenha nomeado quem capitalizou essa crise de medicamentos.

De resto, a audição de António Mariano acabou por ficar marcada pelas críticas dos partidos mais à esquerda à precariedade que associam ao trabalho de estiva no porto de Lisboa e à lei do trabalho portuário aprovada em 2013, pelo Governo PSD/CDS. Um “balão de ensaio” usado “para abrir a porta precariedade na Europa para que os outros países possam ver como se faz em Portugal”, acusou Bruno Dias, deputado do PCP. “Uma espécie de candeia que vai à frente e alumia duas vezes”. Uma posição partilhada também pelo deputado bloquista Heitor de Sousa.

A nova lei do trabalho portuária foi aprovada por PSD, CDS e PS e Ana Paula Vitorino, ministra do Mar do Governo socialista, já veio garantir que a lei não vai ser alterada, “na medida em que se trata de uma adaptação à legislação comunitária”.

Por isso mesmo, Cristóvão Crespo, deputado do PSD, acusou o sindicato de estivadores do porto de Lisboa de estar a tentar ultrapassar uma lei que foi pensada “para aumentar a competitividade do país”, através na renegociação de um novo contrato coletivo. “Se houver noutros portos aquilo que houve em Lisboa o que estamos a assistir é uma revogação implícita” da lei aprovada em 2013.

“A lei foi aprovada por 80% dos deputados da Assembleia da República. Não podemos ter um grupo de 85% [de estivadores] a dizer: ‘Nós não queremos essa lei'”, concordou Hélder Cabral, deputado do CDS, que acusou ainda o estivadores de querem manter um “oligopólio” no porto de Lisboa.

O dirigente sindical foi reafirmando que esta é uma luta contra as condições precárias de trabalho e contra os alegados abusos que se têm verificado nos portos de todo o pais. Sobretudo em Lisboa, onde ele disse existir uma empresa de contrato de trabalho temporário a subcontratar outra empresa de trabalho temporário, uma “contraordenação muito grave” do Código de Trabalho.

Rejeitando todas as críticas de querer controlar pela força do sindicato o porto de Lisboa, o dirigente sindical procurou responder assim aos que acusam o sindicato de fechar o porto a trabalhadores sindicalizados: “Há imagens muito poéticas, como aquela do filme [“Há Lodo no Cais”]. De facto, em 1979 éramos um sindicato-patrão. Mas já se fizeram muitos filmes. Não escolhemos trabalhadores há 38 anos.”

Na terça-feira, a assinatura do novo contrato coletivo dos estivadores acabou por ser adiada por ausência de uma das partes. Sem concretizar as acusações na audição desta quarta-feira, António Mariano disse que os operadores estarão a tentar “introduzir condições no contrato coletivo de trabalho” que não constavam e que contrariam o acordo celebrado a 27 de maio. Não há garantias que o acordo seja fechado em breve.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)