O vírus Zika chegou à Guiné-Bissau com três casos registados no país, anunciou o Ministério da Saúde.

“Foram confirmados três casos de contaminação pelo vírus Zika no arquipélago dos Bijagós”, refere o comunicado da reunião do Conselho de Ministros de quinta-feira, hoje divulgado.

Segundo o documento, “impõem-se a adoção de um conjunto de medidas por forma a evitar a propagação nesta época chuvosa”.

O Conselho de Ministros decidiu instituir uma Comissão Nacional de Prevenção e Luta contra o Zika.

O grupo vai ser presidido pelo primeiro-ministro, Baciro Djá, incluir o ministro da Saúde Pública e outros nove membros do Governo.

O impacto do Zika no ser humano pode acontecer durante a gravidez: organizações internacionais de saúde já confirmaram que a infeção pode causar microcefalia no feto.

O vírus está presente em 60 países, sendo o Brasil o país mais afetado pela atual epidemia.

O Zika é transmitido pelo mosquito ‘Aedes aegypti’ e a infeção pode nem causar sintomas, mas, quando surgem, estes podem incluir febre, erupção cutânea, dor nas articulações e vermelhidão ocular.

Vários trabalhos de investigação estão a decorrer para desenvolver tratamentos e vacinas.