Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um grupo de investigadores da Universidade de Aveiro (UA) desenvolveu uma aplicação que permite prever, com exatidão, as marés da Ria de Aveiro, e ajudar os pescadores, agentes de passeios turísticos e todos os que navegam naqueles canais. A HidroRia vai, de acordo com um comunicado enviado pela universidade às redações, “permitir evitar os frequentes encalhamentos das embarcações” devido à amplitude de maré e à acumulação de detritos no fundo dos canais, fornecendo informação essencial para a navegação.

Os investigadores, do Núcleo de Modelação Estuarina e Costeira do Departamento de Física, e do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar, destacam que os utilizadores da Ria de Aveiro “enfrentam enormes dificuldades de navegação através dos vários canais da ria”.

João Miguel Dias, diretor do Departamento de Física da UA e responsável pelo projeto, explica que “devido ao aumento da amplitude de maré na Ria ao longo das últimas décadas e ao assoreamento (acumulação de detritos) localizado em alguns canais, o reduzido nível de água em diversos locais apenas permite a navegação durante períodos restritos do ciclo de maré”.

Por isso, sublinha o investigador, “é fundamental ter um conhecimento rigoroso das previsões de preia-mar e baixa-mar nos principais portos, para que seja possível aos navegadores planearem as suas deslocações em segurança”.

Os investigadores João Miguel Dias, Hugo Silva, Carina Lopes, Ana Picado e Renato Mendes, responsáveis pelo projeto da HidroRia.

Os investigadores João Miguel Dias, Hugo Silva, Carina Lopes, Ana Picado e Renato Mendes, responsáveis pelo projeto da HidroRia. (Imagem: Universidade de Aveiro)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

É a este problema que a HidroRia vem dar resposta. A aplicação utiliza registos de “diversas estações de amostragem permanente distribuídas pelos canais” para fornecer aos navegadores informações sobre as marés e sobre o nível da água nos principais canais da ria.

A ideia dos investigadores é estender a aplicação a todos os portos de recreio e piscatórios da Ria de Aveiro, utilizando “previsões numéricas efetuadas a partir dos modelos hidrodinâmicos desenvolvidos” pelo núcleo, explica João Miguel Dias.

A aplicação funciona sem acesso à internet, sublinha o investigador, explicando que “após a instalação, a aplicação efetua a previsão da maré de forma completamente autónoma, o que é da maior relevância quando se navega ao longo de canais da Ria de Aveiro, onde por vezes é difícil o acesso às redes móveis”.

O grupo de investigadores foi ainda auxiliado por um estudante do mestrado em Engenharia de Computadores e Telemática da universidade, que se encarregou da programação e desenvolvimento da aplicação.