2016 e a Vodafone a juntar de novo o seu nome à 24ª edição do mítico Festival Paredes de Coura, na qualidade de patrocinador principal, confirmando a sua tendência para ser um potenciador do gosto musical próximo das novas sonoridades nacionais e internacionais.

O sucesso esperado desta edição assenta na qualidade e diversidades dos nomes das bandas que traz aos seus vários palcos, com o reconhecimento de quem já mereceu ser considerado Melhor Festival de Grande Dimensão, Melhor Cartaz, Melhor Festival Não Urbano e Melhor Campismo. Não é pouco. Ainda assim, as surpresas e expectativas para este ano continuam em alta.

Não será no dia de abertura, 17 de agosto, mas sim no dia seguinte que os fãs dos LCD Soundsystem poderão ver a banda que em 2011 anunciava a sua dissolução. Agora, este regresso aos palcos é oficial e passa pelo nosso país.

Assim, também o regresso à vida dos LCD Soundsystem faz-se em Paredes de Coura, com um James Murphy que não consegue parar de criar novas canções. Quinze anos depois do seu nascimento, o mentor chamou os ex-companheiros, Pat Mahoney e Nancy Whang, para trazer de volta à vida os LCD Soundsystem e ao palco principal do Vodafone Paredes Coura. Ainda sem data marcada para o lançamento do novo disco, o que é garantido é que vamos poder escutar algumas das novas canções no próximo dia 18.

James Murphy é o líder da banda, figura emblemática da cena de vanguarda novaiorquina, e líder da DFA Records, uma editora underground que procurou sempre manter essa essência nas bandas que foi lançando ao longo dos anos. Durante o interregno dos LCD Soundsystem, James Murphy dedicou-se à editora e à produção de bandas como os Arcade Fire ou os Yeah, Yeah Yeahs, tendo ainda participado no último álbum de David Bowie. A comitiva que acompanha os LCD Soundsystem neste seu regresso à estrada conta com cerca de 60 elementos, e é a maior que alguma vez passou pelo Vodafone Paredes de Coura.

Dia 17 de Agosto: abertura

Mas quem vai estar no Palco Vodafone no dia de abertura do Festival, a 17 de agosto, são os Unknown Mortal Orchestra. A banda composta por elementos norte-americanos e neozelandeses estreou-se em Portugal no palco secundário, em 2013.

Este ano regressam ao festival, cumprindo-se a habitual tendência deste evento em lançar novos talentos da música a nível global. No que respeita a sua sonoridade, o primeiro tema, “Ffunny Ffrends”, de 2010, foi disponibilizado anonimamente no Bandcamp de Ruban Nielson e imediatamente aclamado por blogs de referência e pela Pitchfork. Multi-Love, de 2015, é o terceiro disco do colectivo, voltou a reunir elogios da imprensa de referência e será agora apresentado no Vodafone Paredes de Coura.

A partilhar o palco principal, no mesmo dia, estarão os Minor Victories, banda britânica de rock alternativo, e os portugueses Orelha Negra, que estão de regresso dois anos após o seu último concerto. Já a digressão de apresentação do novo disco dos Best Youth continua na estrada e passa também neste dia pelo Vodafone Paredes de Coura.

Festival Vodafone Paredes de Coura

As honras de abertura da edição de 2016 do festival cabem aos portugueses We Trust. A banda está desde abril a fazer uma residência artística em Paredes de Coura, onde estão a decorrer ensaios regulares com um grupo de aproximadamente 100 jovens, para a preparação do espetáculo que culmina aqui, com a subida ao palco dos designados We Trust Ft. Coura All Stars.

18 de Agosto, dia de cristais líquidos

No dia 18, quinta-feira, além dos cabeça de cartaz LCD Soundsystem, as atenções do Palco Vodafone recaem sobre Sharon Jones & The Dap-Kings, Sleaford Mods, Thee Oh Sees e Ryley Walker. O festival começa a criar a tradição de integrar no seu cartaz anual um nome gigante da música funk/soul. Assim, esse lugar coube este ano à diva Sharon Jones, que associa o seu nome aos Dap-Kings. Sharon Jones nasceu em Augusta, Geórgia, tal como James Brown, e fez o percurso tradicional das vozes negras associadas a este género musical, começando por cantar em Igrejas.

Só quando a editora Daptone Records a descobriu, em 1996, é que o seu sonho ficou mais perto e foi por essa altura também que ganhou a alcunha “queen of funk”, que se mantém até aos dias de hoje. Foi um longo caminho mas, finalmente, editou o primeiro álbum com os Dap-King em 2002.

Já a dupla de Nottingham, Sleaford Mods, constituída pelo vocalista Jason Williamson e pelo músico Andrew Feam, promete apresentar o seu característico som minimalista e lo-fi. Terão como companhia, no mesmo dia, os The Oh Sees, a mais recente encarnação psicadélica da constante evolução pop-folk do cantor e compositor John Dwyer. Esta não é uma estreia em Portugal para os norte-americanos, pois estiveram presentes no palco secundário do festival, em 2014.

Por fim, ainda neste dia, Ryley Walker representa a tradição do verdadeiro guitarrista americano, a que junta outro instrumento determinante, a sua voz, – que tenta sempre levar ao limite, numa toada que transporta um certo apelo ao transcendental. Primrose Green é o seu disco de estreia e teve destaque em meios como o The Guardian, a Consequence of Sound ou a Q Magazine. Será apresentado aqui.

E ao terceiro dia…

É sexta-feira, dia de subirem ao Palco Vodafone os Cage The Elefant, The Vaccines, King Gizzard & The Lizard Wizard, Crocodiles e Kevin Morby. A banda dos Estados Unidos, Cage The Elephant, já esteve presente no Vodafone Paredes de Coura em 2014, tendo sido recordada como um dos melhores concertos desse ano.

Por isso, vale a pena atentar ao trabalho que Dan Auerbach (Black Keys) produziu neste último álbum (Tell Me I’m Pretty), que foi lançado em dezembro de 2015 e poderá ser interpretado no palco principal.

vodafone-paredes-de-coura73_770x433_acf_cropped

Observador

Os The Vaccines são uma das bandas indie rock mais apreciadas do momento. Quando surgiram em 2011 com What Did You Expect from the Vaccines?, surpreenderam com o seu rock direto, cheio de influências punk. No ano seguinte, atingiram o número 1 do top de vendas do Reino Unido com o segundo álbum de originais, Come of Age.

A carreira é ainda curta, mas os Vaccines são um fenómeno musical reconhecido e que, ao vivo, incendeia multidões. Esta é uma das bandas mais pedidas pelo público do festival.

Constituídos como banda 2010, os australianos King Gizzard & the Lizard Wizard lançaram já 8 álbuns! Lançado a 29 de Abril deste ano, o mais recente LP da banda, Nonagon Infinity, foi descrito pelos próprios como um “esforço pesado” e gravado intencionalmente para se ouvir em loop infinito.

Seguem-se ainda duas bandas neste dia. Os Crocodiles começaram em 2008 e em 2009 lançaram o álbum aclamado pela crítica, Summer of hate. Em 2014 estrearam-se nos palcos nacionais com um concerto no Porto.

Nos últimos anos, a banda continuou a refinar os aspectos mais pop do seu som, deixando que as influências latinas chegassem ao quinto álbum Boys, de 2015. Uma sonoridade que os próprios descrevem como salsa-punk e que pode ser dançada em Paredes de Coura.

Kevin Morby é o nome que falta para completar as atuações no palco principal neste dia. Baixista de Woods e líder dos The Babies, Kevin Morby conta já com 3 álbuns lançados num projecto em que mudou a sua trajectória musical. Iniciou a sua carreira a solo em 2013 e veio pela primeira vez a Portugal em 2014. Neste dia irá apresentar o seu álbum mais recente, Singing Saw, lançado este ano.

Para a despedida

Sábado 20 de Agosto: e o palco principal a receber os Chvrches, The Tallest Man on Earth, Portugal. The Man, Capitão Fausto e The Last Internationale. A banda de pop eletrónica escocesa, Chvurches, formou-se em 2011 e é composta por Lauren Mayberry, Iain Cook e Martin Doherty.

Lançaram o álbum de estreia The Bones of What You Believe, em 2013. Os Chvrches (lê-se Churches) actuaram no Vodafone Paredes de Coura em 2014 e regressam agora com a digressão do segundo álbum de originais Every open eye.

Parece que são, mas não são portugues. Os Portugal.The Man são norte-americanos e, como o nome indica, tão portugueses no nome quanto ecléticos na inspiração sonora. Estrearam-se em Portugal neste festival, em 2009. O seu maior hit, “Heavy Boy”, fez parte da banda sonora do filme The Walking Dead. Talvez se oiçam neste dia algumas faixas do futuro LP.

The Last Internationale é uma Banda de rock norteamericana, formada por Delila Paz, Edgey Pires e Brad Wilk (baterista dos Rage Against The Machine), com fortes convicções sociais e políticas. Atuam em Portugal pela primeira vez neste último dia do Vodafone Paredes de Coura.

Não há que enganar, os Capitão Fausto são portugueses e chegam ao Vodafone Paredes de Coura com o seu rock psicadélico. Formado por Tomás Wallenstein (voz e guitarra), Domingos Coimbra (baixo), Manuel Palha (guitarra), Francisco Ferreira (teclados) e Salvador Seabra (bateria), o quinteto tocou pela primeira vez no festival em 2012.

O terceiro álbum, Capitão Fausto Têm os Dias Contados, chegou este ano para se assumir como o melhor trabalho da banda. Para completar o ramalhete das bandas que irão subir ao palco principal da 24ª edição do mítico Festival Paredes de Coura, só falta mesmo o “mais alto sueco do mundo”, que já foi comparado a Bob Dyan. Kristian Matsson apresenta aqui o seu quarto álbum de originais, Dark Bird Is Home, e leva ao palco a sua banda The Tallest Man On Earth.

Outros nomes e outras histórias sonoras ficam para o Palco Vodafone FM e para a After Hours. Está tudo aqui.