Quando pensamos em animais mortíferos podemos imaginar os dentes afiados de um tubarão. Mas a verdade é que, com apenas dez mortes por ano no currículo, ele pode não passar de um peluche: o animal mais mortífero do mundo é o mosquito. O pequeno inseto voador é responsável por 725 mil mortes por ano. Logo a seguir vem o ser humano e só depois aparecem as cobras.

Este é apenas um dos factos que provam que vivemos num mundo de extremos, onde a antimatéria custa biliões de euros e onde, para estar em absoluto silêncio, é preciso entrar numa sala anecoica que, de acordo com os Laboratórios Orfield, podem levar qualquer um à loucura em 45 minutos. Veja na fotogaleria em cima 25 imagens sobre os lugares mais extremos do planeta e os factos mais impressionantes sobre o mundo onde vivemos.