10.000 quilómetros. Esta é aproximadamente a distância que Carlos Gil viajou até aterrar naquela que é uma das mais importantes semanas de moda. Entre Dubai, Moçambique e Japão, o criador português trouxe na bagagem três mulheres de culturas (e épocas) diferentes para desfilarem na passerelle milanesi da Milan Fashion Week. “Esta coleção atravessa todos os continentes e une várias culturas entre si numa altura em que há uma controvérsia tão grande no mundo”, contou minutos antes do desfile ao Observador. Às propostas primavera/verão 2017 que apresentou na Via Savona às 13h de domingo, 25 de setembro, o designer do Fundão apelidou-as de “Cultural Vibes” e misturou inspirações orientais com características africanas.

“Adoro viajar e é o único luxo que tenho”, explicou inicialmente Carlos Gil. “Todo o Oriente sempre me apaixonou porque a China e o Japão têm culturas muito diferentes da nossa.” Na coleção, as milhas multiculturais estão evidenciadas nos permanentes quimonos japoneses e estampados africanos. Com a Vogue Itália representada na primeira fila do desfile, o criador português uniu lantejoulas com tule e seda com lurex. Um contraste presente em macacões coloridos, vestidos compridos e culottes volumosas. As inspirações desportivas a fugir para tendências vintage não poderiam faltar — tal como na passada coleção — e estão presentes nos bombers XXL e punhos de desporto.

Foto Ugo Camera

A junção de quimonos de inspiração oriental com pormenores desportivos e um penteado com pequenos nichos de cabelo apanhados. (foto: Ugo Camera)

Esta viagem temporal e cultural ainda se materializa em três penteados diferentes que exploram a dicotomia entre o clássico e o moderno. São eles a trança embutida, pequenos nichos apanhados de cabelo e longos cabelos compridos. “A junção dos cabelos com os coordenados representam a imagem versátil mas descontraída que as mulheres hoje procuram”, afirmou Carlos Gil que integra pela terceira vez a segunda semana de moda mais importante do mundo depois de Paris (onde Luís Buchinho encerrará a campanha internacional do Portugal Fashion dia 3 de outubro).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Estar aqui a representar Portugal é uma responsabilidade muito grande. Principalmente quando a prioridade da marca é a internacionalização”, afirmou Carlos Gil. Por essa mesma razão, decidiu viajar por diferentes continentes e preparar voos mais altos — voos como que anunciados pelo estampado com passarinhos desenhados pelo próprio designer. A próxima partida já está marcada e passa pelo Japão, país onde foi convidado a apresentar esta mesma coleção que ainda irá passar exclusivamente na edição do Portugal Fashion, no Porto, de 12 a 15 de outubro.

O Observador viajou para Milão a convite do Portugal Fashion.