Dois anos depois da morte de Robin Williams, a sua mulher, Susan Schneider Williams, decidiu escrever um texto onde relata a verdadeira razão do suicídio de um dos atores mais acarinhados de Hollywood. Num ensaio publicado na revista American Academy of Neurology — que intitulou de “O Terrorista dentro do cérebro do meu marido” — Susan relata a luta que o ator travou contra a Demência de Corpos de Lewy, uma doença similar ao Alzheimer que não foi diagnosticada e só foi revelada na autópsia.

Susan descreveu detalhadamente a forma como a doença foi tomando conta do ator que se notabilizou com filmes como O Clube dos Poetas Mortos ou Bom Dia, Vietname, que teve sintomas como insónias, tremores, ansiedade, problemas digestivos, perda de memória e acessos loucura. A mulher de Robin não revelou a história mais cedo por ser “pessoal”, mas acredita que “partilhando estas informações [com os leitores] pode ajudar a fazer a diferença na vida dos outros”.

No texto, a Susan assume que nunca saberá “a verdadeira profundidade do seu sofrimento, nem a dura luta que teve de travar. Mas de onde estava vi o homem mais valente do mundo a interpretar o papel mais difícil da sua vida“. A mulher nega ainda que o motivo da morte tenha sido uma depressão ou impulsionada por qualquer outro fator, já que o ator “estava limpo e sóbrio, e de alguma maneira vivemos aqueles meses de verão com felicidade, alegria e com as coisas simples que amávamos: comida, festas de aniversário da família e dos amigos, meditações, massagens e filmes e, principalmente, estar de mãos dadas“.

Para demonstrar a velocidade com que a doença avançou no cérebro do ator, a mulher conta que Robin Williams teve de fazer um esforço sobre-humano para memorizar falas simples durante a rodagem de Uma Noite no Museu 3, quando três anos antes tinha memorizado centenas e exigentes falas para a Bengal Tiger at the Baghdad Zoo, uma peça da Broadway.”Robin estava a perder a sua mente e ele estava ciente disso”, revela Schneider Williams.

É ainda relatado o último fim-de-semana da vida de Robin Williams: “Fizemos tudo o que gostávamos durante o dia e a noite de sábado, foi perfeito – como um longo encontro. Até domingo ao fim do dia estava a sentir que ele estava a ficar melhor. Quando se preparava para adormecer, como era habitual entre nós, o meu marido disse-me: ‘Boa noite, meu amor’, e esperou pela minha resposta:’ Boa noite, meu amor.’ Estas palavras ainda ecoam hoje através do meu coração. Na segunda-feira, o Robin tinha ido embora.” O ator foi depois encontrado morto no quarto da sua casa, em Tiburon, cidade do norte da Califórnia, a 11 de agosto de 2014.