Balanço Literário

Os clássicos vs Os ausentes

Jorge Almeida faz o elogio dos nomes essenciais: aqueles que encontraram merecidas reedições e outros que continuam à espera da sua vez.

Charles Dickens

Getty Images

Autor
  • Jorge Almeida

Os melhores

“Em Busca do Tempo Perdido”, Marcel Proust (Relógio d’Água)

O grande acontecimento editorial ocorrido este ano em solo português é resultado de um acto de generosidade verdadeiramente louvável da Relógio d’Água. A reedição dos sete volumes de Em Busca do Tempo Perdido de Marcel Proust na colecção ‘Clássicos para Leitores de Hoje’ possibilita aos leitores deleitarem-se com a prosa inigualável de Proust num formato física e financeiramente apetecível. As desculpas para não ler o romance de Proust são cada vez mais inaceitáveis.

“Heróides”, Ovídio (Cotovia)

Com o talento poético que o celebrizou, Ovídio fez das figuras mitológicas da Antiguidade clássica as protagonistas destes vinte e um poemas/cartas de amor. Repleto de ciúme, humilhação, suicídio, desejo sexual, infidelidade, delírio, incesto, estratégias de sedução, insultos, súplicas, maldições, comiseração, violações e perdão este é um texto fundamental para se perceber coisas aparentemente tão distintas como referências de Os Lusíadas, teorias de Freud e os gritos dos vizinhos do primeiro esquerdo.

“O Amigo Comum”, Charles Dickens (Relógio d’Água)

A primeira impressão que a leitura de O Amigo Comum suscita no leitor é a de que está perante um escritor genial no domínio completo das suas virtudes (estilísticas, intelectuais, etc.). O virtuosismo exibido por Dickens em certas páginas sugere a comparação com um malabarista a fazer a sua arte em cima de um TGV na sua velocidade máxima, enquanto avalia criticamente as paisagens por onde passa, o progresso tecnológico e as políticas económicas responsáveis pela inflação do preço dos bilhetes. Diga-se, também que essas virtudes são perceptíveis graças à tradução exemplar de Maria de Lourdes Guimarães.

“Avelina, criada para todo o çerviço”, José Vilhena (E-Primatur)

Há uma boa quantidade de pessoas que pensa que a melhor forma de perceber a sociedade portuguesa contemporânea passa pela leitura de livros cujo título começa geralmente com “Portugal:” e que acaba invariavelmente com um conjunto de palavras compostas. Em boa hora a E-Primatur se lembrou de reeditar um dos livros que nos dá pistas muito úteis para perceber algumas das peculiaridades da sociedade portuguesa e ainda bons momentos de pura diversão.

“Bandolim”, Adília Lopes (Assírio & Alvim)

O conjunto de textos que formam Bandolim é composto por aquilo a que, num sentido lato, poderíamos chamar ‘achados’: achados porque são coisas que a autora acha (citações eruditas, trocadilhos, notas de rodapé de trabalhos dos tempos universitários, frases ouvidas em cafés, memórias) e das quais parece não se querer desfazer, porque as considera verdadeiros achados, isto é, pechinchas, na medida em que o lucro que tira da sua relação com todas elas parece ser vital para a sua escrita. Por vezes, parece-se com uma mnemónica sobre a própria vida.

O pior

Uma leitura regular de Balzac, disse Wilde, faz com que os nossos amigos se pareçam com sombras, tal a espessura e a profundidade humana das personagens criadas pelo escritor francês. Assim, não espanta que os leitores de Balzac prefiram a leitura a eventos sociais. Muitos dos leitores portugueses têm alguma relutância em acreditar nesta afirmação sobre o génio de Balzac devido à inexistência de um projecto audacioso que se proponha a traduzir uma parte significativa das obras que compõem a Comédia Humana. A ausência de um projecto deste tipo é, assim, o que de pior aconteceu na edição de livros em Portugal.

[as escolhas de Jorge Amaral:]

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)